Sensação de 2019, Flamengo retoma protagonismo

Ótimo momento do clube mais popular do País é consequência de combinação de fatores: dinheiro, boa gestão e time encaixado são pilares

Torcida do Flamengo é a maior do PaísTorcida do Flamengo é a maior do País - Foto: Divulgação/Flamengo

Torcida criando cartaz para artilheiro, sósias aproveitando a fama dos originais, “mister” português ovacionado, Maracanã relembrando seus grandes tempos de lotação... Não há maior sensação no futebol brasileiro em 2019 do que o Flamengo. Em campo, nas arquibancadas, nas redes sociais, na imprensa e até entre atletas internacionais - vide os comentários do alemão Podolski e do chileno Vidal, ilustres torcedores do Urubu. Hoje, ninguém questiona que os cariocas, líderes do Brasileirão e finalistas da Libertadores da América, são os protagonistas do País. Para chegar até o ponto de “não ser time, ser seleção”, como brincam os flamenguistas, foi preciso uma combinação de fatores.

Leia também:
Flamengo goleia o Grêmio e volta à final da Libertadores após 38 anos
Flamengo evita bloqueio de R$ 100 milhões por incêndio no Ninho
Soberano em Portugal, Jorge Jesus quer hegemonia do Flamengo


Parte do tom romântico na abordagem sobre o Flamengo fica em segundo plano na primeira explicação para entender o fenômeno de 2019: dinheiro. O clube foi o que mais gastou no ano em contratações (R$ 156,3 milhões). Duas das três maiores transferências da história do futebol brasileiro aconteceram nesta temporada: as idas de Arrascaeta (R$ 63,4 milhões) e Gerson (R$ 49,7 milhões) para o time carioca. Isso sem falar nos salários milionários que somam R$ 17 milhões por mês. Só assim para bancar nomes como Rafinha, Filipe Luís e Gabriel Barbosa, por exemplo.

E de onde vem esse dinheiro? Sob a gestão do ex-presidente Eduardo Bandeira de Melo, a instituição reduziu sua dívida em mais de R$ 200 milhões entre 2014 e 2017. Aliado a isso, o clube soube utilizar bem a gorda quantia recebida em cotas de televisionamento (R$ 220 milhões), além dos faturamentos com marketing, patrocínio, associados e renda de bilheteria. Esse último tem sido um grande trunfo dos cariocas. No jogo passado, contra o Grêmio, na semifinal da Libertadores, o Fla arrecadou mais de R$ 8 milhões graças ao público de quase 70 mil pessoas. Sem falar nos cofres recheados com as recentas vendas de pratas da casa como o meia Lucas Paquetá e do atacante Vinícius Júnior.

Dinheiro e boa gestão, contudo, de nada adiantariam se os protagonistas em campo não fizessem sua parte. O primeiro acerto do Flamengo figura na ousadia em ter optado pela contratação do técnico Jorge Jesus. Mesmo com um currículo extenso em Portugal, o treinador ainda não havia trabalhado na América do Sul. Em pouco tempo de trabalho, o “Mister”, como gosta de ser chamado, implantou uma filosofia de jogo ofensiva, tendo como referência, segundo o próprio, o holandês Johan Cruyff. Exigente até mesmo na fase espetacular dos cariocas, o treinador soube extrair o melhor do elenco e descartou a ideia de poupar jogadores mesmo atuando em competições simultâneas - postura comum no Brasil adotada por vários técnicos. E por falar em elenco...

Diego Alves; Rafinha, Rodrigo Caio, Pablo Marí e Filipe Luís; Willian Arão, Gerson e Arrascaeta; Everton Ribeiro, Bruno Henrique e Gabriel. Esse é o time titular do Flamengo. No banco, o clube ainda conta com peças como Diego, Vitinho e Reinier. Com um grupo recheado de grandes nomes, o time foi empilhando vitórias na Libertadores e no Brasileirão. Entretanto, essa não foi a primeira vez que os cariocas montaram um “plantel estrelar”. O time de 2000 tinha nomes Gamarra, Vampeta, Petkovic, Alex, Edilson, Denilson e um tal de Adriano Imperador em seu início de carreira, mas não teve sucesso. Antes, o Urubu já havia reunido Romário, Edmundo e Sávio, também sem colher na prática o futebol avassalador que era esperado na teoria. Desta vez, a equipe da maior torcida do Brasil fez da expectativa uma realidade na junção de craques, exibição vistosa e resultados expressivos.

O clube ainda não ganhou as duas taças que está disputando, mas já é possível levantar o questionamento: ele pode ser considerado o melhor brasileiro da história em uma temporada se ganhar a Série A e a Libertadores no mesmo ano? Apenas o Santos de Pelé, na década de 60, obteve o feito. Se quebrada, a marca pode transformar o time de 2019 em um dos maiores (ou maior) do Flamengo, entrando no hall dos grandes conjuntos do futebol nacional. É a chance de acabar com o “cheirinho” e voltar a sentir o gosto de grandes conquistas.

Veja também

Portugal ainda não decidiu sobre presença de britânicos na final da Champions
Futebol

Portugal ainda não decidiu sobre presença de britânicos na final da Champions

Com público reduzido, final da Champions será realizada em Portugal
Liga dos Campeões

Com público reduzido, final da Champions será realizada em Portugal