Setor central da engrenagem dá sinais de enferrujamento

Não se adaptou e foi outro a acumular exibições abaixo da média

Dilma Rousseff e LulaDilma Rousseff e Lula - Foto: NELSON ALMEIDA / AFP

 

Não houve apenas um motivo para a reação do Náutico na Série B do Campeonato Brasileiro, que reacendeu a esperança do acesso. A demissão de Alexandre Gallo, a chegada de Givanildo Oliveira, as contratações de Marco Antônio e Vinícius. Enfim, vários pilares se encaixaram no momento certo. Mas o principal deles foi o rendimento dentro das quatro linhas com boas atuações.

Neste ponto, o coração e o cérebro da equipe, na sequência de oito partidas sem derrotas e seis vitórias, foram o meio-campo do Timbu. Exatamente o setor que apresenta a maior queda de desempenho na oscilação alvirrubra nesta reta final de competição. Rodrigo Souza, Marco Antônio e Vinícius, peças fundamentais na engrenagem, caíram de produção e, consequentemente, os resultados negativos vieram juntos.

O volante Rodrigo Souza, por exemplo, teve uma boa sequência de jogos na transição entre os treinadores. Inclusive, participou de forma direta do primeiro triunfo fora de casa do Timbu, sob o comando de Givanildo Oliveira, ao marcar o primeiro gol do 2x1 sobre o Paraná. Contudo, nos últimos seis jogos foi substituído no segundo tempo sem dar a contribuição à equipe que se espera. Sem mostrar a mesma condição física do primeiro semestre, o jogador também tem falhado na parte técnica com passes errados e pouca segurança na marcação, deixando João Ananias sobrecarregado.

A parte física também tem prejudicado o futebol de Marco Antônio. Como não atuava há cinco meses e fez uma pré-temporada no Catar - onde o nível de exigência é bem mais baixo do que no Brasil -, o camisa 10 sentiu a maratona de 11 partidas seguidas e vem mostrando cansaço. Além das substituições certas nos confrontos, tem sido poupado nos treinamentos para evitar um desgaste maior. Porém, nem isso tem feito com o que o meio-campista reencontre a melhor forma.

O caso de Vinícius é o que gera mais dúvidas e preocupações na torcida. Nos primeiros quatros jogos no seu retorno, em que atuou dois como titular, marcou cinco gols. Fez dois contra o Sampaio Corrêa e três diante do Paysandu.

Desde então, não balança mais as redes e pouco tem ajudado na criação. Uma das justificativas pode ser a mudança do esquema implantada por Givanildo Oliveira a partir da sua terceira partida. Com apenas dois atacantes, o meia também ganhou a responsabilidade de chegar ao setor ofensivo e revezar o posicionamento com Bergson pelos lados e centralizado. Não se adaptou e foi outro a acumular exibições abaixo da média.

Embora esteja com problemas no setor, o comandante alvirrubro não ensaia qualquer mudança na escalação. Givanildo já demonstrou ter pouca confiança nos reservas para realizar mudanças. Mas para enfrentar o Tupi/ MG, sábado, o técnico pelo menos terá tempo para recuperar os atletas com a semana cheia de trabalhos.

 

Veja também

Diógenes avalia ciclo de reforços do Náutico durante pandemia
Náutico

Diógenes avalia ciclo de reforços do Náutico durante pandemia

'Hora da aposentadoria está se aproximando', diz Roger Federer
Tênis

'Hora da aposentadoria está se aproximando', diz Roger Federer