Só 1% das reservas da Fifa vai para seleções femininas

Última seleção colocada na Copa do Mundo de 2018 ganhou o dobro do que levará a campeã do evento feminino deste ano

Seleção feminina de futebolSeleção feminina de futebol - Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Os cartazes da Copa do Mundo estão espalhados por Paria, cidade que, a partir do próximo dia 7, recebe as principais jogadoras de futebol feminino do planeta. Nos hotéis de luxo onde estão os cartolas, a ordem na Fifa é também a de mudar o discurso e anunciar claramente que o futebol feminino é uma prioridade.

Mas nos documentos que os cartolas receberam nesta semana para o Congresso Anual da entidade, também em Paris, fica evidente a disparidade ainda dos prêmios entre as seleções femininas e as masculinas.

Pelo dados, a Fifa vai distribuir a todas as seleções que disputam a Copa na França neste mês um total acumulado de US$ 30 milhões. O valor representa pouco mais de 1% das reservas nos cofres da Fifa e é muito inferior aos US$ 400 milhões que as 32 seleções do masculino receberam em 2018 na Rússia.

Se no final do ano passado a revelação do prêmio já causou mal-estar, agora o detalhamento dos valores e sua comparação com o Mundial de 2022, no Catar, escancaram um mal-estar ainda maior.

Para o próximo mundial, os homens receberão um total de US$ 440 milhões. Apenas o aumento entre 2018 e 2022 é superior a todo o prêmio pago para as meninas. Só a seleção masculina vencedora no ano passado, a França, levou para casa US$ 38 milhões. Agora, quem vencer a Copa do Mundo Feminina vai ficar com meros US$ 4 milhões.

Mesmo que o Brasil de Marta volte com o troféu, sua seleção ganhará um quarto do que o Brasil de Neymar levou da Rússia, mesmo ficando longe da final. Na verdade, seleções desclassificadas já na primeira fase como Panamá, Peru e outras 14 deixaram a Rússia com uma receita extra de US$ 8 milhões cada. Portanto, a última colocada na Copa masculina ainda ganha duas vezes mais que a campeã feminina.

Leia também:
Copa do Mundo vendeu mais da metade da carga de ingressos
Jogos da Copa do Mundo têm ingressos esgotados
Infantino promete uma Copa do Mundo feminina 'espetacular'


No informe financeiro, a Fifa insiste que tem dobrado os recursos para os prémios entre as mulheres, em comparação aos níveis de 2015. Além disso, se contabilizada a ajuda da Fifa para a preparação dos times e as compensações para os clubes que emprestam as jogadoras, o valor passaria de US$ 15 milhões em 2015 para US$ 50 milhões em 2019.

No caso da preparação, cada uma das 24 seleções femininas receberá pelo menos US$ 1,2 milhão por sua participação. Aos clubes, como ocorre também no caso do masculino, a Fifa pagará US$ 8,5 milhões. Cartolas da entidade explicaram ao UOL que esse valor é significativamente mais baixo do que é pago aos homens por conta da diferença ainda profunda na receita da Copa feminina e aquela disputada por Mbappe, Neymar e Kane.

A queixa de mulheres dentro da entidade, porém, é de que a Fifa vem acumulando uma receita inédita com o futebol masculino, mas com um repasse ainda pequeno para as garotas. Ao final de 2018, por exemplo, a Fifa mantinha reservas no valor de US$ 2,7 bilhões. Para grupos dentro da entidade, parte desse dinheiro nos cofres da entidade deveria ser usado também para a cúpula do futebol feminino no mundo, por meio de prêmios maiores para as seleções que participam na Copa.

Veja também

Anderson não ficará no Náutico, confirma empresárioFutebol

Anderson não ficará no Náutico, confirma empresário

Kieza retorna aos trabalhos com bola no NáuticoFutebol

Kieza retorna aos trabalhos com bola no Náutico