Milton Bivar, presidente do Sport
Milton Bivar, presidente do SportFoto: Divulgação/Sport

A cada dia que passa o Sport tem recebido mais problemas para solucionar. Nesta sexta-feira (22), o GloboEsporte.com trouxe a informação que o Leão está impedido de inscrever atletas no sistema da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). A suspensão seria fruto de um débito antigo do Rubro-negro na Câmara Nacional de Resolução de Disputas (CNRD).

Procurada pela reportagem da Folha de Pernambuco, a CBF confirmou a informação através da assessoria de imprensa. Ainda segundo a entidade, o bloqueio foi executado após pedido do Centro Brasileiro de Mediação e Arbitragem (CBMA), "pela falta de pagamento de dívida negociada na Câmara Nacional de Resolução de Disputas (CNRD)." O nome do atleta a qual a dívida se trata não foi divulgado.

O presidente do Sport, Milton Bivar, mostrou surpresa com a informação. Segundo o dirigente, as instituições não estão em pleno funcionamento durante a pandemia do novo coronavírus. Porém, Bivar reconheceu que o clube tem dívidas em aberto na CNRD. "Não sei como surgiu essa informação, não estou sabendo de nada. Só posso dizer que o Sport tem sim muita coisa rolando por lá (na CNRD)", limitou-se a falar o mandatário leonino. Em fevereiro, o clube rubro-negro declarou ter aproximadamente R$ 13 milhões em dívidas no órgão da CBF.

No início da temporada, a CNRD impôs a mesma punição ao Sport. Na ocasião, a dívida do clube rubro-negro era com o chileno Mark González, que passou pela Ilha do Retiro em 2016. O débito era de R$ 650 mil. À época, a CBMA - órgão competente para resolver conflitos de interesse -, suspendeu o bloqueio de inscrições, depois que o Leão pagou parte do débito. O time da Praça da Bandeira ficou sem poder registrar jogadores por mais de um mês, estreando na temporada, diante do Náutico, com um time recheado de pratas da casa.

Vivendo crise financeira, o Sport vem sofrendo com casos na Justiça. Além das dívidas na CNRD, o Leão tem débito de R$ 5,6 milhões a acertar com o Sporting/POR, referentes à compra de André, em 2017. Temendo futuras punições, o clube pernambucano teria feito um acordo com o time europeu, informando quitar a despesa pós-pandemia.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: