Esportes

Superliga: Minas e Praia abem série final neste domingo

Decisão entre Minas e Praia Clube será em melhor de três jogos. O primeiro é às 11h deste domingo (21)

Dentil Praia Clube é o atual campeão da Superliga femininaDentil Praia Clube é o atual campeão da Superliga feminina - Foto: DivulgaçãoDentil Praia Clube

O primeiro passo para a definição do campeão da Superliga feminina de vôlei 2018/19 será dado neste domingo (21), em partida marcada para as 11h, no ginásio Mineirinho, em Belo Horizonte. Minas Tênis Clube e Dentil/Praia Clube fazem uma final 100% mineira, mudando um pouco o cenário do certame, que tem hegemonia de Rio de Janeiro e São Paulo não só em títulos, mas em presença em finais – a última final sem cariocas ou paulistas foi na edição 2001/2002, com o clássico Flamengo/RJ x Vasco/RJ.

Os times finalistas são donos dos elencos mais completos desta edição da Superliga. Não à toa, Minas e Praia foram, respectivamente, líder e vice-líder na fase classificatória. O Minas somou 20 vitórias e sofreu apenas duas derrotas, enquanto o Praia teve 19 triunfos e três revezes. No mata-mata de quartas de final, o Minas passou pelo Curitiba Vôlei/PR e o Praia pelo Fluminense/RJ, ambos com duas vitórias diretas na série melhor de três. O mesmo aconteceu nas semifinais, quando o Minas passou pelo Osasco-Audax/SP com dois placares de 3x1, e o Praia atropelou o Sesi Vôlei Bauru/SP com duas vitórias por 3x0.

Leia também:
Superliga: Tifanny pontua menos e oscila mais que rivais
Superliga: manutenção de ranking feminino revolta atletas

Atual campeão nacional, o Praia tenta ir à terceira final da sua história. Já o Minas, uma das equipes mais tradicionais do vôlei nacional, tem sete finais no currículo, mas não disputava um título desde 2003/2004. Em termos de aproveitamento em decisões, o Praia leva a melhor, com uma conquista em duas decisões, enquanto o Minhas tem dois títulos e quatro vice-campeonatos.

Para chegar ao tri, o Minas montou um time de respeito nesta temporada, mantendo a base que já havia feito uma boa competição no ano anterior, mas reforçando o grupo com as ponteiras Gabi e Natália, ambas da seleção brasileira. Fora isso, contou o crescimento expressivo da levantadora Macris, que vem sendo um dos destaques da Superliga e tem coordenado com maestria a distribuição de bola da equipe. O Praia também não ficou atrás.

Apesar de ter conquistado seu primeiro título no ano passado, o time teve uma dança das cadeiras para a atual edição. As chegadas da ponteira/oposta Rosamaria, da central Carol e da levantadora norte-americana Carly Lloyd foram as principais novidades. Embora a qualidade do trio seja incontestável e o time tenha cumprido a meta de chegar à decisão, fica uma sensação de que o nível do jogo coletivo poderia estar em um patamar mais elevado. É como se o grupo ainda não tivesse chegado ao seu auge e acabe oscilando em alguns momentos, como aconteceu no Mundial, por exemplo.

Programação
A final da Superliga ganhou um formato diferente nesta temporada, sendo realizada em uma série melhor de três jogos. O segundo confronto está marcado para o dia 26 de abril, às 21h30, no Sabiazinho, ginásio do Praia Clube, em Uberlândia. Caso seja necessário um terceiro jogo, o mesmo acontecerá no dia 3 de maio, também às 21h30, no Mineirinho, uma vez que o Minas fez a melhor campanha da primeira fase e, por isso, tem o privilégio de decidir em casa.

Veja também

Brasil vence Chile e pega Uruguai nesta sexta-feira pela semifinal do Sul-CentroHandebol

Brasil vence Chile e pega Uruguai nesta sexta-feira pela semifinal do Sul-Centro

Em jogo com arbitragem conturbada, Brasil empata com EquadorEliminatórias da Copa

Em jogo com arbitragem conturbada, Brasil empata com Equador