Tênis

Tenista ucraniana Dayana Yastremska, que escapou de ataque russo, perde na final do torneio de Lyon

Dayana foi derrotada pela chinesa Shuai Zhang, número 64 do mundo, com parciais de 3-6, 6-3 e 6-4

Dayana Yastremska, tenista ucraniana Dayana Yastremska, tenista ucraniana  - Foto: Olivier Cchassignole/AFP

A ucraniana Dayana Yastremska não conseguiu terminar sua semana com uma vitória, sendo derrotada na final do torneio WTA em Lyon, neste domingo, pela chinesa Shuai Zhang, número 64 do mundo e cabeça de chave número 8, com parciais de 3-6, 6-3 e 6-4. 

Zhang, que havia vencido a francesa Carolina García nas semifinais (6-2 e 7-5), e que só perdeu um set durante o torneio, se mostrou uma adversária muito sólida e, sem dúvida, mais descansada física e mentalmente. 

A chinesa teve que se esforçar menos para vencer a russa Vitalia Diatachenko na sexta-feira nas quartas de final. Sua adversária precisou se retirar no primeiro set depois de apenas três jogos. 

No entanto, a ucraniana de 21 anos, convidada para o torneio em 22 de fevereiro, dois dias antes do início da invasão da Ucrânia pelo exército russo, teve chances de triunfar: venceu o primeiro set e dominava o segundo por 2-0 e depois 4-2 o último, antes de ter sucumbido provavelmente devido ao cansaço físico e emocional. 

"Joguei por mim e pelo meu país. Sentia muitas emoções e estava muito cansada. Recebi muita energia do apoio do público", disse ela durante a entrega do troféu, segurando as lágrimas o máximo que podia. 

"Lutei pela Ucrânia e agradeço o estado de espírito das pessoas do país, onde estão lutando", insistiu a jogadora, com a bandeira ucraniana amarela e azul nos ombros.

Com sua jovem irmã Ivanna, de 15 anos, ele deixou sua cidade natal de Odessa sob bombas, antes de se separar de seus pais na fronteira romena. De Bucareste, ele pôde viajar para a França e Lyon, cidade onde chegaram em 26 de fevereiro. 

Dayana Yastremska, que chegou a ocupar o número 21 do mundo antes de ser suspensa devido a um caso de doping do qual acabou sendo absolvida, não jogava uma final desde janeiro de 2020. 

A ucraniana anunciou que o seu objetivo era "dar o seu melhor" neste torneio em que estreou na 140ª posição do ranking mundial, posição para a qual foi rebaixada por não poder jogar. 

Sua trajetória no torneio permitirá que ela se aproxime do Top 100 nesta segunda-feira (101º).

Veja também

"Uma hora o detalhe tem que virar para o nosso lado", desabafa Roberto após empate
Futebol

"Uma hora o detalhe tem que virar para o nosso lado", desabafa Roberto após empate

Náutico tem zagueiro expulso, perde pênalti, e fica no 1x1 com o Criciúma
Futebol

Náutico tem zagueiro expulso, perde pênalti, e fica no 1x1 com o Criciúma