Thiago Silva será o capitão contra a Costa Rica

Contestado pela postura como dono da braçadeira em 2014, Thiago Silva tem o respaldo de Tite para a função

Thiago SilvaThiago Silva - Foto: Joe Klamar / AFP

O zagueiro Thiago Silva será o capitão da Seleção Brasileira contra a Costa Rica, a partir das 9h (de Brasília) desta sexta-feira (22), pela segunda rodada do Grupo E da Copa do Mundo na Rússia. Com a braçadeira em 2014, no Brasil, o defensor ficou marcado pelo choro na disputa de pênaltis contra o Chile, nas oitavas, quando se recusou a bater uma das cobranças e também por cartão amarelo desnecessário nas quartas contra a Colômbia, que o deixou de fora da semifinal diante da Alemanha.

"Se nós pegássemos todo mundo que foi criticado na última Copa, teríamos terra arrasada e não teríamos nem a base dessa Seleção. A vida não é assim. Coloquei uma lista de vários atletas importantes que teriam a maturidade. Thiago é um deles", defendeu o técnico Tite.

O jogador do Paris Saint-Germain será capitão sob comando do atual treinador da Seleção pela segunda vez. Thiago havia ocupado a função diante da Argentina, em amistoso na Austrália, em junho do ano passado, com sete reservas em campo, no qual o Brasil perdeu por 1x0.

No Mundial 2014, Thiago Silva foi um dos protagonistas da Seleção que ficou marcada pela derrota por 7x1 contra a Alemanha. Capitão do time naquele torneio, ele não jogou a semifinal diante dos alemães por cartão bobo levado nas quartas, contra a Colômbia. No lance, Thiago Silva entrou na frente do goleiro Ospina em uma reposição de bola, impedindo a jogada, o que não é permitido pelo regulamento. Acabou punido com o cartão amarelo, seu segundo na Copa. Antes, havia levado outro após falta dura em Chicharito, contra o México, na fase de grupos.

Outro momento marcante de Thiago Silva na Copa do Mundo de 2014 aconteceu nas oitavas de final, diante do Chile. O zagueiro se recusou a bater uma das cobranças de pênalti, ao qual assistiu de costas e foi às lágrimas, o que gerou muitas críticas, já que o jogador era o capitão da equipe e deveria ter melhor controle emocional. O jogador, mesmo assim, minimizou o que ficou no passado.

"Fico bastante tranquilo com relação a isso. É dar o máximo para a Seleção Brasileira, independentemente de estar com a braçadeira ou não. A gente consegue dividir essa responsabilidade dentro de campo. Temos características diferentes, mas estamos muito bem servidos", disse o zagueiro.

Leia também:
Marcelo será o capitão da Seleção na estreia na Copa
Brasil tem, pela 1ª vez, contato com festa de torcedores
Fifa escala trio holandês para Brasil x Costa Rica

Após a Copa, Thiago Silva voltou a ser convocado apenas em novembro de 2014, por Dunga, mas não gostou de ser preterido como capitão - o escolhido foi Neymar. Acabou desabafando em entrevista, dizendo que estava triste porque parecia que tiraram alguma coisa que lhe pertencia. Depois, já em 2015, o jogador voltou a ser criticado, desta vez por pênalti cometido na Copa América, nas quartas de final, que rendeu a derrota à Seleção Brasileira.

Ficou, então, dois anos sem ser titular do time canarinho até Tite lhe dar nova chance, em junho do ano passado, contra a Argentina. No total, são 5.866 minutos jogados pela Seleção Brasileira, distribuídos em 72 partidas e mais de 100 convocações. Ainda marcou cinco gols. Em março, a partir das vitórias contra Rússia e Alemanha, Thiago Silva aproveitou brecha deixada por Marquinhos, que se lesionou, para virar titular da Seleção Brasileira. Ele foi mantido na equipe por Tite e se tornou membro da equipe principal pela segunda Copa seguida.

Capitães da era Tite

4 jogos: Daniel Alves;
3 jogos: Miranda;
2 jogos: Marcelo;
1 jogo: Paulinho, Casemiro, Marquinhos, Willian, Renato Augusto, Neymar, Thiago Silva, Coutinho, Alisson, Gabriel Jesus, Filipe Luís, Fernandinho e Robinho.

 

Veja também

Léo Gaúcho comemora volta aos gols pelo Santa
Futebol

Léo Gaúcho comemora volta aos gols pelo Santa

Candidatos derrotados na última eleição do Sport ainda vão definir se participarão de novo pleito
Indefinição

Candidatos derrotados na última eleição do Sport ainda vão definir se participarão de novo pleito