Futebol

Timbu cauteloso quanto a reforços para Série B

Vice-presidente do clube declarou que o Náutico vai manter os pés no chão para a sequência da temporada

Gilmar Dal Pozzo, técnico do NáuticoGilmar Dal Pozzo, técnico do Náutico - Foto: Caio Falcão/CNC/Divulgação

Um Náutico com reforços pontuais, apostando na base do primeiro semestre e na recuperação de atletas lesionados. É isso que o torcedor pode esperar do clube para o início da Série B do Campeonato Brasileiro, na próxima semana. De acordo com o vice-presidente do clube, Diógenes Braga, o Timbu vai ser cauteloso no mercado.

“Sabemos que precisamos de reforços, mas respeitamos o orçamento que temos. Se tivermos que escolher entre um reforço a mais ou manter os pés no chão, nós vamos escolher manter os pés no chão. Ninguém espere que faremos quatro, cinco contratações”, afirmou o dirigente.

Durante a paralisação dos campeonatos, por conta da pandemia da Covid-19, o Náutico fechou a contratação do meia Junior Britez e dos atacantes Dada Belmonte e do prata da casa Thiago, vindo por empréstimo do Flamengo. O Timbu também trouxe o atacante João Paulo Penha, mas o atleta não permaneceu no Recife após ser diagnosticada uma lesão no joelho direito.

A aposta do Náutico também está na recuperação de atletas que desfalcaram o clube no primeiro semestre por conta de lesão. Sem jogar desde outubro por conta de uma lesão no joelho esquerdo, Camutanga já voltou aos treinos e reforça o time para Série B. O zagueiro Diego, o volante Josa e o atacante Paiva também podem retornar em breve. Outro defensor do time, Ronaldo Alves só deve voltar em setembro aos trabalhos, após lesão no tendão de Aquiles. Os atacantes Álvaro e Matheus Carvalho, ambos com lesão de ligamento no joelho, estão no pós-operatório e não tem previsão de retorno.
 

 

Veja também

Sport renova esperança por dias melhores após estreia no Brasileirão
FUTEBOL

Sport renova esperança por dias melhores após estreia no Brasileirão

Santa deve ficar alerta para disparidade entre ataque e defesa
FUTEBOL

Santa deve ficar alerta para disparidade entre ataque e defesa