Esportes

Times do Brasil melhoram menos com trocas de técnicos que europeus

cenário de 2019 repetiu algo comum no futebol brasileiro: dirigentes trocando de técnico na espera de uma melhora no desempenho das equipes

Adilson Batista, técnico do CruzeiroAdilson Batista, técnico do Cruzeiro - Foto: Reprodução/Instagram

Enquanto tentava escapar do rebaixamento, o Cruzeiro teve quatro técnicos diferentes durante o Brasileiro-2019. Em vão. Dos cinco primeiros colocados do torneio, Santos, Grêmio e Athletico-PR não trocaram de comandante, e Flamengo e Palmeiras mudaram uma vez (sem considerar interinos).

O cenário de 2019 repetiu algo comum no futebol brasileiro: dirigentes trocando de técnico na espera de uma melhora no desempenho das equipes. Na Série A, entre 2014 e 2019, houve 75 mudanças -mais que o dobro do que o registrado nas maiores ligas da Europa. O desempenho dos times após a entrada do novo comandante foi, em média, 24% melhor do que o registrado no período anterior.

Como comparação, o Campeonato Alemão teve 22 mudanças entre as temporadas 2014/15 e 2018/19. Após as trocas, o desempenho dos times subiu 76% em média.

No período -2014 a 2019- utilizado no levantamento, houve pelo menos 240 trocas de técnico nas primeiras divisões de Alemanha, Brasil, Espanha, França, Inglaterra, Itália e Portugal.

Foram considerados apenas nomes que tiveram no mínimo dez jogos no cargo e que assumiram o posto durante a disputa da 1ª divisão de cada país. O aproveitamento da equipe com o técnico que assumiu foi comparado com o desempenho do time antes dele, na mesma temporada.

"Na Europa, quando sai um treinador, os dirigentes têm um perfil claro do que querem. Aqui, quando um sai, coloca-se cinco nomes em debate, é uma salada de frutas. Lá se faz um processo seletivo, para definir não só qual a ideia de jogo", afirma Paulo Autuori, que foi diretor de futebol do Santos em 2019.

O time que registrou a maior diferença no desempenho após uma mudança de treinador no período analisado foi o Levante, da Espanha. Paco López assumiu a equipe que brigava para não cair e tinha menos de um terço de aproveitamento dos pontos na 27ª rodada do Espanhol de 2017/18. Em 11 partidas com ele, o time confirmou a permanência na elite, após conquistar 76% dos pontos disputados.

No Brasil, Tiago Nunes foi quem conseguiu a maior melhora de desempenho em 2019. Após assumir Athletico-PR, obteve 62% dos pontos disputados. Antes, com Fernando Diniz, a equipe de Curitiba teve 25% de aproveitamento.

O levantamento mostra que a maioria dos times que teve melhora no aproveitamento após trocar de técnico deu mais tempo ao novo treinador que ao anterior.

Dar continuidade ao trabalho era o que queria o diretor de futebol do Fortaleza, Daniel de Paula, na volta do clube à Série A, nesta temporada. "Quando contratamos o Rogério [Ceni], ele vinha de um trabalho não muito efetivo no São Paulo. Quando ele perdeu o Estadual, choveu gente dizendo que a gente tinha que tirar ele. Demos tempo para que ele pudesse organizar o perfil de trabalho", afirma.

Ceni deixou o Fortaleza no meio do Brasileiro, por sua vontade, para assumir o Cruzeiro. Foi demitido três meses depois do clube mineiro e voltou para a equipe cearense.

O Fortaleza terminou a Série A em 9º, com vaga na Sul-Americana pela primeira vez. Já o Cruzeiro teve quatro técnicos diferentes e foi rebaixado, superado pelo Ceará.

O clube nordestino não foi um exemplo de continuidade. Teve três técnicos no Brasileiro. O último, Argel Fucks, assumiu com 36% de aproveitamento, em 15º.
"Missão dada é missão cumprida", disse Argel após o clube garantir a permanência na Série A. Com o técnico –que antes comandou o rebaixado CSA–, o time teve dois empates (22% de aproveitamento), não venceu e só não caiu graças às derrotas do Cruzeiro.

Leia também:
Só cinco técnicos da Série A têm mais de um ano no cargo

Veja também

Torcedores do Independiente imitam macaco em direção aos torcedores do Ceará
Racismo

Torcedores do Independiente imitam macaco em direção aos torcedores do Ceará

Quem é Bernie Ecclestone, ex-chefe da Fórmula 1 preso em São Paulo
Fórmula 1

Quem é Bernie Ecclestone, ex-chefe da Fórmula 1 preso em São Paulo