Tite mudou Seleção Brasileira ao exigir polivalência

Com mexidas pontuais, Tite melhorou rendimento rendimento da Seleção, principalmente no setor defensivo

Tite, técnico da Seleção BrasileiraTite, técnico da Seleção Brasileira - Foto: Alexander Nemenov/AFP

Cobrando mais polivalência dos jogadores, o técnico Tite transformou a Seleção Brasileira. Com mudanças pontuais na escalação em relação a Dunga, seu antecessor, o ex-corintiano mudou o comportamento do time, que chega à Copa do Mundo da Rússia como um dos favoritos ao título. A constatação vem de análise feita pela Folha de S.Paulo com base em dados levantados pela Opta nas 18 partidas da Seleção nas eliminatórias sul-americanas.

Foram estudados no total 17 mil eventos de jogo, como passes, desarmes e chutes.
Os números mostram que, para levar o time nacional da sexta para a primeira posição no classificatório, o técnico cobrou mais comprometimento defensivo dos atacantes.

Com Dunga, os jogadores do setor ofensivo tentavam roubar a bola em média 3,6 vezes por jogo. Com Tite, os atacantes passaram a fazer em média 8 ações defensivas. Um dos passos para conseguir isso foi a troca de Ricardo Oliveira por Gabriel Jesus na função de centroavante.

Leia também:
Douglas Costa treina com bola em atividade fechada por Tite
Neymar deve começar no banco contra a Croácia

O jogador do Manchester City pressiona muito mais os defensores adversários. Em média, faz 7,5 ações defensivas por jogo contra 2,7 de Oliveira. Mas não é só isso. Todos os atacantes passaram a colaborar mais com a marcação. O principal exemplo é Neymar, que, com Dunga, tentava roubar 4,7 bolas por jogo, contra 8,7 sob o comando de Tite.

Com a ajuda dos atacantes na marcação, Tite pôde dar mais liberdade para os volantes. Os jogadores mais recuados do meio de campo finalizam mais e chegam mais perto da área adversária, como elemento surpresa. Em média, o volante com mais função de marcação de Tite (em geral, Casemiro) atuou três metros à frente do jogador da mesma posição de Dunga (Luiz Gustavo).

A percepção é corroborada pela porcentagem de passes realizados pelos volantes no campo de ataque (35% com Tite como técnico e 24% com Dunga) e pela diferença na média de chutes a gol por jogo dos dois jogadores (0,7 de Casemiro e 0,3 de Luiz Gustavo). O chamado segundo volante, meio-campista que protege a defesa, mas também chega ao ataque, avançou ainda mais seu posicionamento (cinco metros à frente).

"Paulinho tem mais liberdade de chegar ao ataque, finaliza bem, chega na área e faz gols. Eu e Casemiro controlamos mais os contra-ataques para dar o equilíbrio necessário", disse Fernandinho, que jogou algumas partidas como meio-campista de marcação no time do técnico Tite.

Os volantes chutam hoje, em média, 3,3 vezes no gol. Com Dunga, a média de finalizações por jogo para jogadores dessa posição era de 0,8. A ofensividade nos passes não prejudicou o trabalho na defesa desses jogadores. A média de ações defensivas na posição não variou de forma significativa. Chegou até a aumentar levemente, de 18 por jogo em média para 22.

"O nosso coletivo faz a diferença. Tivemos uma evolução tática muito grande. Hoje, todos participam da marcação como os zagueiros. E os defensores iniciam o processo de construção da jogada", disse o zagueiro Miranda. Tite tem dado ênfase à ideia de colaboração. Após a vitória sobre a Argentina, em novembro de 2016, o técnico contou uma de suas estratégias para motivar a equipe. Momentos antes do jogo, ele mostrou aos seus atletas vídeo com lances da seleção na Copa de 1970.

Na final contra a Itália, Tostão aparecia ajudando na marcação. Em um dos lances, narrou Tite, quase todos tocaram na bola, que ficou com Jairzinho. "Apareceu o lateral vindo de trás. Gol do Carlos Alberto. Isso mostra o quanto é importante senso de equipe."

Veja também

Pia chama Marta, mas deixa Cristiane de fora da seleção olímpica
Olimpíada

Pia chama Marta, mas deixa Cristiane de fora da seleção olímpica

Bryan valoriza trabalho da preparação física no Náutico
Futebol

Bryan valoriza trabalho da preparação física no Náutico