TJD pede suspensão de Rildo após lesão em João Paulo

O caso será analisado pela 5ª Comissão Disciplinar Regional que levará o jogador cruzmaltino a julgamento

João Paulo quebrou a perna em dois lugares, na tíbia e fíbulaJoão Paulo quebrou a perna em dois lugares, na tíbia e fíbula - Foto: Divulgação

O Tribunal de Justiça Desportiva do Rio de Janeiro (TJD-RJ) solicitou nesta terça-feira (20) uma suspensão preventiva do atacante Rildo, do Vasco, após lesionar gravemente o meia João Paulo, do Botafogo, no clássico entre as equipes no último domingo pelo Campeonato Carioca. O caso será analisado pela 5ª Comissão Disciplinar Regional que, em breve, levará o jogador cruzmaltino a julgamento.

Leia também:
Cirurgia de João Paulo é realizada com sucesso
Ex-Santa, João Paulo sofre fratura na perna em clássico

O lance aconteceu logo aos 2 minutos do primeiro tempo após uma dividida entre os dois atletas em que João Paulo acabou sendo "solado" por Rildo. O alvinegro levou a pior e acabou fraturando sua perna direita em duas partes. Ele passou por cirurgia na última segunda-feira e ficará, no mínimo, seis meses se recuperando.

A Comissão de Arbitragem da Federação de Futebol do Rio de Janeiro (Coaf-RJ) analisou as imagens e, em comunicado oficial, alegou que o árbitro Leonardo Cavaleiro deveria expulsar Rildo, mas descartou a possibilidade de suspensão da autoridade. A postura causou revolta no Botafogo. Já o Vasco saiu em defesa de seu atleta.

"Sobre o João Paulo, infelizmente soubemos que foi grave. Rildo não é violento, é leal. Infelizmente aconteceu. Torcemos por ele (João Paulo)", declarou o técnico Zé Ricardo.
Botafogo e Vasco voltam a se enfrentar nesta quarta-feira, no estádio Nilton Santos, pelas semifinais da Taça Rio. O cruzmaltino tem a vantagem do empate.

Veja também

Náutico confirma contratação do meia Marcos Vinícius
Futebol

Náutico confirma contratação do meia Marcos Vinícius

Defesa de Carol Solberg recorrerá de advertência por 'fora, Bolsonaro'
Manifestação

Defesa de Carol Solberg recorrerá de advertência por 'fora, Bolsonaro'