UFC retorna com protocolo rígido e cinturão em jogo

Evento acontecerá na cidade de Jacksonville, Flórida (EUA), neste sábado, sem a presença de público

UFC 249 é primeiro evento de grande porte a ocorrer após pandemiaUFC 249 é primeiro evento de grande porte a ocorrer após pandemia - Foto: Josh Hedges/AFP

O primeiro evento esportivo de grande porte, desde que a pandemia do novo coronavírus se alastrou nas Américas, será realizado amanhã. Na cidade de Jacksonville, na Flórida (EUA), acontecerá o UFC 249. Um retorno que, claramente, não será nos mesmos moldes de antigamente. Um protocolo de segurança foi criado para garantir a saúde dos lutadores e a realização dos combates.

Primeiro e mais óbvio: o UFC 249 será de portões fechados, com presença apenas de "pessoas essenciais" ao evento. Somente lutadores, treinadores, e trabalhadores da organização poderão entrar nos setores reservados, tanto do hotel como na VyStar Veterans Memorial Arena. Todos serão testados contra a Covid-19. Após os testes, a organização do UFC recomendou que os profissionais fiquem isolados até o resultado dos exames. Não haverá a tradicional coletiva de imprensa antes dos confrontos.

A patrocinadora oficial de comidas do UFC vai ceder todos os alimentos. As refeições serão deixadas nas portas dos quartos em horários agendados. No hotel, segundo o UFC, o pessoal de limpeza estará com equipamento de proteção e produtos de higienização de nível hospitalar. A pesagem oficial acontecerá hoje pela manhã, mas os lutadores devem agendar horários diferentes para subir na balança, evitando aglomeração no momento.

Informações de bastidores apontam que todos ao redor do octógono terão que usar máscaras e ficar separados por dois metros de distância. Há ainda a possibilidade de uma desinfecção do óctogono ao término de cada combate. Uma equipe médica estará de prontidão para atender os atletas na arena, antes, durante e depois do evento, em casos de lesão. Massagens e terapias, porém, não serão permitidas por esses profissionais de saúde destacados.

Duas atletas brasileiras saíram da disputa: Jéssica "Bate-estaca" e Amanda Nunes. A primeira desistiu do combate após perder dois membros da família por conta do coronavírus. Já a compatriota informou que, devido a pandemia, não conseguiu se preparar corretamente para o combate. O evento do fim de semana foi regulamentado pela Comissão Estadual de Boxe da Flórida, após decreto recente do governador Ron DeSantis, que incluiu esportes profissionais e produção de mídia entre os serviços essenciais na região.

"Os outros esportes podem voltar, mas eles decidiram não fazer isso agora. Não é barato, é muito caro. E você precisa investir muito dinheiro para se certificar que está tomando todos os cuidados necessários. Além disso, você não vai ter venda de ingressos, certo? Não tem arrecadação de ingressos. Então as pessoas olham pra isso e eu acho que, ou elas estão com medo de fazer isso agora, ou elas não querem investir o dinheiro necessário e não querem perder o dinheiro da venda de ingressos", afirmou Dana White, presidente do UFC, em entrevista ao Canal Combate. O evento começa a partir das 19h30 (horário de Brasília) e a luta principal será a disputa do cinturão interino dos pesos-leves, entre Tony Ferguson e Justin Gaethje.

Leia também:
UFC adia os próximos três eventos devido ao coronavírus 

 

Veja também

Acompanhe todos os lances de Sport x Bahia, pela Série A do Campeonato Brasileiro
Série A

Acompanhe todos os lances de Sport x Bahia, pela Série A do Campeonato Brasileiro

Com um a mais, Náutico empata com Cruzeiro e garante permanência na Série B
Série B

Com um a mais, Náutico empata com Cruzeiro e garante permanência na Série B