Última Eurocopa que saiu do roteiro foi vencida por seleção intrusa

Em 92, a Uefa expulsou a Iugoslávia por questões políticas, e a convidada Dinamarca acabou se sagrando campeã

Troféu da EurocopaTroféu da Eurocopa - Foto: ANDREI PUNGOVSCHI / AFP

A Uefa anunciou no último dia 17 uma decisão que seria inevitável. A Eurocopa de 2020, que celebraria os 60 anos da competição, precisou ser adiada para 2021 em razão da pandemia do coronavírus que paralisou não só o futebol, mas todo o esporte mundial.

Com o adiamento, o torneio europeu de seleções sofreu uma interrupção inédita em sua estável trajetória construída desde a primeira edição, em 1960.

Apesar de adiada pela primeira vez em sua história, a Eurocopa já precisou passar por uma intervenção da Uefa em razão de fatores externos que mexeram com o curso natural da competição.

Em 1992, a entidade que comanda o futebol europeu expulsou por questões políticas uma seleção que estava classificada, a antiga Iugoslávia, e convidou outra que estava fora. Segunda colocada nas eliminatórias no grupo vencido pelos iugoslavos, a Dinamarca entrou de supetão na disputa e terminou como campeã.

No início da década de 1990, as declarações de independência de Croácia e Bósnia-Herzegovina implodiram o bloco iugoslavo, que tinha o poder estava concentrado em Belgrado, na Sérvia. A partir dos movimentos separatistas, os sérvios entraram em conflito com os vizinhos. A guerra com os bósnios durou de 1992 a 1995.

A ONU (Organização das Nações Unidas), por meio de seu Conselho de Segurança, começou a impor sanções comerciais à Iugoslávia, a essa altura reduzida basicamente a Sérvia e Montenegro.

Faltando uma semana para o início da competição, a entidade decidiu excluir a Iugoslávia da Euro. Os jogadores e a comissão técnica da seleção balcânica já se encontravam na Suécia, onde aconteceria o torneio.

"Eu estava a ponto de reformar a minha cozinha quando nos chamaram para jogar na Suécia", afirmou o técnico da Dinamarca, Richard Møller-Nielsen, ao jornalista Simon Kuper no livro "Football Against The Enemy" (Futebol Contra o Inimigo).

A verdade é que Møller-Nielsen, mesmo com questões domiciliares pendentes, já contava com a possibilidade da expulsão da Iugoslávia e seguiu observando jogos de possíveis adversários.

Sem ter conseguido a vaga nas eliminatórias, o treinador estava com o cargo ameaçado. Entre outras coisas, por causa das críticas da imprensa e do público pela forma como a equipe atuava, praticando um jogo pragmático e defensivo.

Leia também:
Uefa decide manter Liga dos Campeões suspensa e sem data para retorno
Fifa adia todos os jogos internacionais previstos para junho


Essa abordagem de Møller-Nielsen teve como consequência a recusa do craque Michael Laudrup em ser convocado. Ele voltaria ao time em 1993.

Na estreia contra a Inglaterra, empate sem gols. O confronto seguinte, diante da Suécia, que chegaria à semifinal do Mundial em 1994, terminou com vitória dos anfitriões por 1x0.

As campanhas vacilantes de França e da Inglaterra no grupo deixaram os dinamarqueses com chance de classificação na última rodada. Precisariam vencer os franceses e torcer por tropeço britânico diante da Suécia.

Para o duelo contra a França treinada por Michel Platini, o técnico Richard Møller-Nielsen não pôde contar com o meio-campista Kim Vilfort. Considerado o melhor jogador dinamarquês em 1991, Vilfort tinha uma filha, Line, lutando contra a leucemia, e por isso ele voltara à Dinamarca para visitá-la no hospital.

No retorno de ônibus para o hotel após a derrota para os suecos, alguns atletas avistaram campo de minigolfe. Um deles sugeriu a Møller-Nielsen que parassem para se divertir um pouco. O técnico, pensando que a brincadeira pudesse recuperar a moral, deixou.

"Pela primeira vez como técnico, pensei, 'Que se dane, vamos tentar algo diferente'", disse o pragmático treinador.

Sem Vilfort, que estava com sua filha, a Dinamarca venceu a França por 2x1 e, com a derrota da Inglaterra para a Suécia, se classificou à semifinal.

Dois dias antes de enfrentar a Holanda, atual campeã da Euro, o ônibus dinamarquês voltava do treino quando o atacante Lars Elstrup avistou uma lanchonete do Burger King. Mais uma vez, perguntaram a Møller-Nielsen se poderiam parar. O técnico, que já havia cedido uma vez, voltou a atender aos desejos do elenco.

Em Gotemburgo, a favorita Holanda foi mais uma das grandes seleções a sucumbir diante da relaxada Dinamarca.

Após o empate em 2x2 no tempo normal com boa atuação de Kim Vilfort, que viajou a pedido de sua esposa e sua filha Line, o goleiro Peter Schmeichel brilhou nas cobranças por pênaltis, defendeu a penalidade de Marco Van Basten -herói do título holandês em 1988- e ajudou a equipe nórdica a alcançar a inédita decisão europeia.

Depois do minigolfe e da parada no Burger King para alguns hambúrgueres e batatas fritas, Richard Møller-Nielsen abriu sua última concessão em favor dos atletas. Como ninguém esperava que a Dinamarca fosse à final, os jogadores não levaram suas esposas e filhos. Às vésperas da decisão, os hotéis já estavam todos lotados.

O jeito foi pedir ao treinador que as famílias pudessem compartilhar os quartos com os atletas. O que Møller-Nielsen, em nome da tradição formada de acatar pedidos inusitados, aceitou novamente, pedindo a eles que se poupassem fisicamente para a decisão.

Na final contra a Alemanha, campeã mundial, os dinamarqueses abriram o placar aos 18 minutos, com John Jensen. O goleiro Peter Schmeichel teve uma das melhores atuações de sua carreira naquele 26 de junho, mostrando por que seria considerado um dos melhores da posição ao longo de toda a década.

Aos 33 da etapa final, com a Dinamarca de Møller-Nielsen conseguindo segurar os alemães, Kim Vilfort dominou uma bola fora da área (aparentemente com a mão), ajeitou para a perna esquerda e chutou. A bola passou por Bodo Illgner e ainda bateu na trave antes de entrar para decretar o triunfo dinamarquês e a coroação de uma epopeia surpreendente.

A história, cheia de elementos bizarros, virou até filme. "O Verão de 1992", que inclui o drama familiar vivido por Vilfort, foi lançado em 2015 e está disponível na Netflix.

Poucas semanas depois do título europeu, Line, filha do meia-atacante que virou herói do conto de fadas nórdico, não resistiu à leucemia e morreu aos 7 anos de idade.

O técnico Møller-Nielsen, terminado o torneio, conseguiu terminar a reforma de sua cozinha.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

 

Veja também

Rayssa Leal é recepcionada com aplausos por outros atletas brasileiros na Vila Olímpica
Jogos Olímpicos

Rayssa Leal é recepcionada com aplausos por outros atletas brasileiros na Vila Olímpica

Barcelona anuncia acordo amigável com Neymar para encerrar disputa judicial
Futebol Internacional

Barcelona anuncia acordo amigável com Neymar para encerrar disputa judicial