US Open abre nesta segunda com grande duelo no feminino

A multicampeã Serena Willians e a russa Maria Sharapova se enfrentam na primeira rodada do Grand Slam

Serena joga em casa no último Grand Slam de 2019Serena joga em casa no último Grand Slam de 2019 - Foto: Eduardo Munoz Alvares/AFP

Quarto e último Grand Slam da temporada, o US Open tem início nesta segunda-feira (26), nas quadras rápidas do USTA Billie Jean King National Tennis Center, no Queens, Nova Iorque. E, logo de cara, promete um duelo de alto nível, entre a multicampeã Serena Willians, jogando em casa, e a russa Maria Sharapova, que tenta retomar os tempos áureos da carreira após o escândalo de doping no qual esteve envolvida. Desde 2004, Maria Sharapova não sabe o que é vencer um duelo contra a rival. Serena, no entanto, não está em sua melhor forma, tendo abandonado torneios recentes por incômodos nas costas. A partida tem previsão para as 20h (horário de Brasília), podendo atrasar de acordo com o desenrolar da rodada, que tem início às 12h. 

Além delas, outras atrações da chave feminina de simples são a atual campeã Naomi Osaka, do Japão, que tem condição duvidosa já que também passou por lesões recentemente, a romena Simona Halep, a bielorrussa Victoria Azarenka, a norte-americana Sloane Stephens e as tchecas Petra Kvitova e Karolina Pliskova.

Leia também:
US Open terá a maior premiação na história do tênis
Serena Williams é a 1ª atleta entre as mulheres mais ricas
Sharapova minimiza críticas em período de suspensão

No evento masculino, quem defende o posto de atual campeão é o sérvio Novak Djokovic, que tem três conquistas no GS dos Estados Unidos. Ao lado dele no topo do hall de favoritos, estão o espanhol Rafael Nadal e o suíço Roger Federer. Os três lideres do ranking da ATP chegam ao US Open lutando pelo 12º título consecutivo em torneios desse nível. O último atleta fora desse trio a conquistar um Grand Slam foi o suíço Stan Wawrinka, campeão justamente do US Open em 2016.

Djokovic estreia contra o espanhol Roberto Carballés Baena, Nadal encara o australiano John Millman e Federer pega o indiano Sumit Nagal - Nagal, inclusive, foi o algoz do mineiro João Menezes na rodada final do evento qualificatório. Como Federer está na mesma chave de Djoko, será impossível ver uma nova final entre eles, que protagonizaram uma decisão épica na edição 2019 do Grand Slam de Wimbledon, em julho, quando o sérvio salvou dois match points antes de assegurar o título. A final foi a mais longa da história do torneio britânico.

O Brasil tem apenas um representante no torneio simples masculino, o cearense Thiago Monteiro, que joga às 12h desta segunda contra o norte-americano Bradley Klahn. A grande aposta do País, contudo, é por uma conquista nas duplas, com Marcelo Melo, Marcelo Demoliner e Bruno Soares, que já sentiu o gostinho de ser campeão nos Estados Unidos. Bruno tem dois títulos de duplas mistas (2012 e 2014) e um nas duplas masculinas (2016). Ele competirá ao lado do croata Mate Pavic. Já Marcelo Melo faz dupla com o polonês Lukasz Kubot, enquanto Demoliner joga com o britânico Dominic Inglot.

Veja também

Com classificação encaminhada, Martelotte garante seriedade: "Não vamos relaxar nem desconcentrar"
Santa Cruz

Com classificação encaminhada, Martelotte garante seriedade: "Não vamos relaxar nem desconcentrar"

Santa Cruz vence Botafogo/PB por 1 a 0 e alcança marca histórica de 27 pontos na competição
Série C

Santa Cruz vence Botafogo/PB por 1 a 0 e alcança marca histórica