Futebol

Veja as estreias do Trio de Ferro no Pernambucano dos últimos anos

De 2011 para cá, Santa só perdeu na abertura do Estadual em clássicos. Sport tropeçou diante de Flamengo e Salgueiro, enquanto o Náutico só foi derrotado em uma oportunidade nas últimas 11

Náutico x Central, nos AflitosNáutico x Central, nos Aflitos - Foto: Tiago Caldas/CNC

O Campeonato Pernambucano 2022 começa no próximo fim de semana. O Náutico abre a competição diante do Íbis, nos Aflitos. O Santa Cruz encara o Afogados, no Arruda, enquanto o Sport pega o Sete de Setembro, na Ilha do Retiro. O primeiro passo do Trio de Ferro em busca do título estadual. A Folha de Pernambuco decidiu analisar o recorte das estreias dos clubes nos últimos anos, partindo de 2011. De lá para cá, há alguns detalhes curiosos.

O Santa Cruz só perdeu na abertura de um Estadual em clássicos. Desde 2011, foram três jogos em que o Pernambucano começou com o Tricolor tendo que enfrentar um dos rivais da capital.  Em 2015, derrota por 3x0 para o Sport. Em 2016 e 2017, o adversário foi o Náutico, com uma derrota (2x0) e um empate (1x1), respectivamente.

Em 2011, 3x0 em cima do Vitória. Em 2012 e 2013, contra Belo Jardim e Pesqueira, respectivamente, triunfos por 2x1. Em 2014, 3x2 ante o Central.  Há quatro anos, o Tricolor ficou no 1x1 com o Vitória. Em 2019 e 2020, a Cobra Coral ganhou por 3x0 nos duelos diante de América e Petrolina, respectivamente. No ano passado, novamente ante o Tricolor das Tabocas, o Santa ganhou por 2x0.

Com exceção da derrota por 2x1 perante o Central, em 2019, o Náutico só acumula vitórias e empates nas estreias desde 2011. Os resultados de igualdade foram diante do Decisão (2x2, em 2013), Central (1x1, em 2014), Salgueiro (0x0, em 2015), Santa Cruz (1x1, 2017) e Sport (1x1, em 2020). 

Há 11 anos, o Timbu ganhou por 3x0 do Petrolina. Em 2012, 2x0 no Porto. Em 2016, no Clássico das Emoções, vitória por 2x0. Em 2018, 3x2 no América. Por fim, no ano passado, o Náutico goleou o Central por 5x0. 

Estrear diante do Flamengo de Arcoverde não traz boas lembranças ao Sport. Em 2018 e 2019, o Leão ficou no 0x0 e depois perdeu por 3x2, respectivamente, na abertura do Estadual. Contra o Salgueiro, em 2014, o time começou goleando por 4x0. Ainda assim, o Carcará já aprontou para a equipe, com triunfos em 2013 (2x1) e 2016 (1x0).  O Araripina, em 2012, também segurou os rubro-negros, com um empate em 1x1.

Em 2011, vitória do Sport por 1x0 diante do América. Em 2017 e 2021, outras estreias positivas, vencendo Central (3x0) e Vera Cruz (3x1), respectivamente. Em 2015 e 2020, o Leão começou o Pernambuco com clássico. No das Multidões, vitória por 3x0 diante do Santa Cruz. No Clássico dos Clássicos, há dois anos, empate em 1x1 com o Náutico. 
 

ESTREIAS DO TRIO DE FERRO DESDE 2011 NO ESTADUAL

NAUTICO

2011 - NAUTICO 3X0 PETROLINA

2012 - PORTO 0X2 NAUTICO

2013 - CHÃ GRANDE/DECISÃO 2X2 NAUTICO

2014 - CENTRAL 1X1 NAUTICO

2015 - NAUTICO 0X0 SALGUEIRO

2016 - NAUTICO 2X0 SANTA

2017 - NAUTICO 1X1 SANTA

2018 - NAUTICO 3X2 AMERICA

2019 - CENTRAL 2X1 NAUTICO

2020 - NAUTICO 1X1 SPORT

2021 - NAUTICO 5X0 CENTRAL

SANTA

2011 - VITORIA 0X3 SANTA

2012 - SANTA 2X1 BELO JARDIM

2013 - SANTA 2X1 PESQUEIRA

2014 - SANTA 4X2 CENTRAL

2015 - SANTA 0X3 SPORT

2016 - NAUTICO 2X0 SANTA

2017 - NAUTICO 1X1 SANTA

2018 - SANTA 1X1 VITORIA

2019 - SANTA 3X0 AMERICA

2020 - SANTA 3X0 PETROLINA

2021 - SANTA 2X0 VITORIA

SPORT

2021 - VERA CRUZ 1X3 SPORT

2020 - NAUTICO 1X1 SPORT

2019 - SPORT 2X3 FLAMENGO

2018 - FLAMENGO 0X0 SPORT

2017 - SPORT 3X0 CENTRAL

2016 - SALGUEIRO 1X0 SPORT

2015 - SANTA 0X3 SPORT

2014 - SPORT 4X0 SALGUEIRO

2013 - SALGUEIRO 2X1 SPORT

2012 - ARARIPINA 1X1 SPORT

2011 - SPORT 1X0 AMERICA

 

Veja também

"Acreditaram em mim": Como a vítima reagiu à condenação de Daniel Alves por estupro
CASO DANIEL ALVES

"Acreditaram em mim": Como a vítima reagiu à condenação de Daniel Alves por estupro

Daniel Alves preso, Robinho solto: entenda por que ex-jogadores vivem situações jurídicas distintas
ex-jogadores

Daniel Alves preso, Robinho solto: entenda por que ex-jogadores vivem situações jurídicas distintas