[Vídeo] Lions chega com força para o Bom de Bola

Time formado por campeãs da edição do ano passado do torneio tem boas expectativas para a competição 2019

Jovens e experientes jogadoras mesclam equipe, que treina no Parque da Macaxeira Jovens e experientes jogadoras mesclam equipe, que treina no Parque da Macaxeira  - Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

Mesmo com o crescimento do Campeonato Brasileiro e a tentativa de solidificação da Série A2 nacional, o futebol feminino ainda tem inúmeras barreiras a serem vencidas no Brasil. Se na elite as mulheres já vivem com tantas dificuldades, a situação na várzea é ainda mais desafiadora. Diante disso, o Lions FC surge como um exemplo de perseverança e amor ao esporte em Pernambuco. A equipe vem com força máxima para a disputa de mais um Recife Bom de Bola, torneio organizado Prefeitura da Cidade que este ano quase dobrou o número de inscritos entre os times formado por mulheres, de 9 para 17, e distribuirá premiação em dinheiro, uma das novidades da edição 2019 do evento.

A história do Lions começa a partir do encerramento das atividades do Centro de Excelência, campeão do Recife Bom de Bola 2018 e então comandado por Yago Oliveira. Por falta de recursos para a renovação da temporada 2019, o time acabou fechando as portas. Diante disso, Andrea Melo (mãe do treinador) decidiu montar sua própria equipe a fim de manter vivo o sonho das atletas.

Leia também:
CBF confirmará Brasil como candidato a sede da Copa feminina de 2023
Copa do Mundo feminina terá 32 equipes a partir de 2023


“Gerir uma equipe de futebol feminino é bem difícil e desgastante, mas no final vale a pena. Nós tentamos arrumar parceiros para nos ajudar, brigamos com a federação, dirigentes e cada vez que eu consigo algo a mais para as meninas fico realizada. Em apenas quatro meses de time já atingimos um patamar que não esperávamos e estamos ansiosas para disputar o título da Recife Bom de Bola”, disse Andrea Melo, diretora do Lions.

Chamada de tia pelas atletas, Andrea nutre uma relação especial com as jogadoras, como uma verdadeira família. As meninas sabem valorizar o esforço da diretora para acolher e tentar passar o que tiver de melhor desde os tempos da outra equipe.

“Nós temos uma receptividade muito boa e sou muito grata pela oportunidade aqui. Já joguei no América, Sport e Náutico, mas tive que parar por uma lesão no joelho. Neste ano, recebi um convite de Yago e decidi voltar aos gramados”, disse Gerlane Alves, atleta de 26 anos, e uma das mais experientes do elenco.

Com cerca de 30 atletas no grupo, as Lions possuem uma mescla de jovens e experientes jogadoras. A equipe treina no campo do Parque da Macaxeira, sob o comando do treinador Yago. “Estamos trilhando um caminho interessante, mesmo tendo apenas quatro meses de equipe. Nós pegamos um período de inverno, no qual a quantidade de chuva é muita intensa e isso nos prejudica um pouco. Mas pelo fato de termos pouco tempo de trabalho, não podemos deixar de treinar”, afirmou o técnico.

O Lions também disputam o Campeonato Pernambucano, em uma parceria com a equipe do Ipojuca. Para o Recife Bom de Bola, dono da alcunha de maior campeonato de várzea do mundo, a equipe está cheia de expectativas e sonha em conquistar mais um título da competição.


Veja também

Keno marca três gols, Atlético-MG vence o Grêmio e se isola na liderança
Brasileirão

Keno marca três gols, Atlético-MG vence o Grêmio e se isola na liderança

CBF e clubes mantêm proibição de torcedores em jogos do Brasileirão
Protocolo

CBF e clubes mantêm proibição de torcedores em jogos do Brasileirão