Vítimas de tumulto no Clássico podem acionar Justiça

Torcedores que sofreram danos em confusão no último Clássico das Multidões podem requerer indenização

Torcedores ficaram feridos no duelo Sport x Santa Cruz, na Ilha do RetiroTorcedores ficaram feridos no duelo Sport x Santa Cruz, na Ilha do Retiro - Foto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco

O Clássico das Multidões disputado entre Sport e Santa Cruz, na última quarta-feira, na Ilha do Retiro, por pouco não terminou em tragédia. Após um tricolor disparar um sinalizador na arquibancada dos visitantes, a polícia entrou em ação, provocando um efeito "avalanche" no local. No incidente, dezenas de torcedores se feriram e tiveram que ser atendidos dentro do gramado. Evidentemente, muitos que não tinham nada a ver com o início da confusão acabaram se machucando e podem sofrer prejuízos. Nesse caso, pode-se acionar a Justiça por conta dos danos sofridos no tumulto.

Leia também:
Torcedores ficam feridos no jogo Sport x Santa Cruz
[Vídeo] Tricolores relatam cenas de desespero na Ilha
Presidente da FPF explica por que jogo não foi interrompido
Através de nota, FPF se solidariza com feridos do clássico

"O cidadão pode entrar no Juizado do Torcedor (Rua do Futuro, 99, bairro dos Aflitos, no Recife) e prestar queixa do ocorrido. É possível ingressar no Juizado da Fazenda Pública, contra o Estado, ou na Justiça Comum, também contra o Estado, já que ele responde pela Polícia Militar, o Sport e a Federação Pernambucana de Futebol, que é uma corresponsável. Os três respondem por isso. Há uma responsabilidade solidária nesse caso", explica Wilton Carvalho, defensor público do Estado.

"O torcedor pode alegar danos morais, por conta do constrangimento, danos materiais, pelo gasto que pode ter com médicos, fisioterapia e medicação. Há também a possibilidade de indenização por lucros cessantes. Isto é, se ele for um profissional, um motorista de táxi, por exemplo, pode ser impedido de trabalhar a ganhar sua renda. Caso seja um cabeleireiro, trabalhe numa barbearia, e tenha quebrado a mão, pode requerer também uma compensação", detalha Wilton Carvalho.

O promotor do Juizado do Torcedor, José Bispo, prometeu uma investigação para apurar se houve excesso da polícia no incidente. "Tudo deve ser esclarecido. Solicitamos o inquérito para saber como tudo aconteceu. Quais torcedores provocaram a confusão? E esse sinalizador? Até agora ninguém o encontrou”, reclamou Bispo. “Temos a Federação Pernambucana (de Futebol) com responsabilidade objetiva, os clubes também com essa responsabilidade, e a polícia com responsabilidade pela segurança. Vou requisitar os vídeos do Sport e da imprensa", assegurou.

Veja também

Náutico perto de acerto com Fernando Leite, executivo de futebol
Futebol

Náutico perto de acerto com Fernando Leite, executivo de futebol

Em meio à crise, Imperatriz negocia retorno de atletas para encarar o Santa
Série C

Em meio à crise, Imperatriz negocia retorno de atletas para encarar o Santa