ENERGIA

Empresas vão investir R$ 15,8 bi em linhas de transmissão no NE

A expansão das linhas de transmissão é necessária para escoar a energia a ser produzida pelos empreendimentos de geração renovável no Nordeste

As empresas que venceram o último leilão das linhas de transmissão vão investir um total de R$ 18,2 bilhõesAs empresas que venceram o último leilão das linhas de transmissão vão investir um total de R$ 18,2 bilhões - Foto: Ulgo Oliveira/Seinfra

O Nordeste vai receber um investimento de R$ 15,8 bilhões nos próximos seis anos para a implantação de 10 lotes dos 15 que venceram o leilão das linhas de transmissão realizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) na quinta-feira (28). As linhas vão passar por oito estados: Pernambuco, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Alagoas, Bahia e Maranhão. Elas vão escoar a produção de futuros empreendimentos de energia renovável da região.

Segundo a chefe nas áreas de Redes da renomada consultoria PSR, Amanda Fernandes, nos últimos anos, a expansão da geração de energia no Brasil está concentrada na região Nordeste, diferentemente do que ocorria no passado, quando o eixo da expansão da geração era o Sudeste e o Sul. "Com essa mudança de eixo, a expansão da transmissão na região Nordeste tornou-se necessária para que o sistema elétrico possa escoar o excesso de geração da região Nordeste para os grandes centros de carga que estão localizados no Sudeste e Sul", conta a especialista.

As empresas que venceram o leilão vão assinar os contratos até o dia 28 de junho deste ano. Depois disso, as linhas de transmissão terão que entrar em operação num período que varia de três anos a seis anos. No passado, muitas linhas de transmissão atrasaram e trouxeram prejuízos principalmente às eólicas que, na época, eram recém instaladas no Nordeste.

De acordo com Amanda, este cenário não deve se repetir nos próximos anos. "A Aneel empregou um esforço regulatório nos últimos anos no setor de transmissão para garantir a eficiência da construção dos ativos", comenta. Ela cita que houve "a revisão das regras de penalidades, melhorias nos processos de fiscalização e obrigação de aporte de garantias de fiel cumprimento associado a marcos do cronograma de obras" e que essas medidas resultaram "numa redução do número de obras atrasadas que pode ser consultada no relatório de fiscalização publicados pela agência de forma trimestral".

Há uma tendência de queda nos atrasos das linhas de transmissão da Aneel desde 2019, segundo o último relatório bimestral que a agência publicou sobre isso em dezembro último. Os 15 lotes das linhas de transmissão vão gerar um investimento de R$ 18,2 bilhões em 10 Estados. No Nordeste, o único Estado que não terá estas novas linhas de transmissão será Sergipe. A implantação das linhas é importante porque inclui também as subestações, equipamentos importantes no escoamento da energia.

Detalhes das linhas de transmissão

A implantação dos 15 lotes de linhas de transmissão vai gerar cerca de 35 mil empregos, segundo informações da Aneel. Dos 10 lotes de linhas a serem construídas no Nordeste, cinco são investimentos superiores a R$ 1 bilhão. O maior deles será o lote 6 que prevê a implantação de 1001 km de linhas de transmissão que vão empregar R$ 3,4 bilhões entre os Estados da Bahia e Minas Gerais numa obra a ser realizada pela FIP Development Fund Warehouse.

O segundo maior investimento será o lote 5 com 1096 kms de linhas de transmissão, que vão passar por cidades no Ceará, Pernambuco, Paraíba, Alagoas, Bahia e Piauí e serão implantadas pela Eletronorte. O terceiro é o lote 14 que ficará na Bahia com três trechos, cada um de 318 km, segundo o site da Aneel, no qual devem ser empregados R$ 2,1 bilhões pela FIP Development Fund Warehouse.

O quarto maior em investimento é o lote 1 com R$ 1,7 bilhão que será implantada em cidades do Piauí e Ceará com 532 kms de extensão e pelo menos duas subestações pela Eletronorte. E o quinto é uma linha no Piauí que está no lote 2 e vai demandar R$ 1,5 bilhão.

Ainda no Nordeste, os demais investimentos previstos no último leilão serão os seguintes: o lote 4 que vai passar pelo Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco e Alagoas com R$ 990 milhões de investimento pela FIP Development Fund Warehouse; o lote 3 no Ceará que vai empregar R$ 983 milhões pela Eletronorte; o lote 13 que prevê um gasto de R$ 982 milhões com linhas que vão passar por Tocantins, Piauí e Maranhão; o lote 12 com R$ 932 milhões interligando cidades do Maranhão e Piauí a ser implantado pela Energisa Transmissão de Energia; e o lote 7 com R$ 528 milhões que será empregado pela EDP Trading nos Estados da Bahia, Tocantins e Piauí.

Leia mais no Movimento Econômico

Energia é cara por causa dos subsídios

As distribuidoras de energia e o ranking da Aneel. Confira quem subiu e desceu

Veja também

Pernambuco Day, 1º passo para destravar infraestrutura no País
Coluna Movimento Econômico

Pernambuco Day, 1º passo para destravar infraestrutura no País

Portaria afeta repasses do SUS e caos se avizinha nos cofres do estado
Coluna Movimento Econômico

Portaria afeta repasses do SUS e caos se avizinha nos cofres do estado

Newsletter