INOVAÇÃO

Produção de carro voador começa em 2024 no Ceará

Os primeiros carros voadores devem ser entregues pela empresa em meados de 2024

Sócios da Vertical Connect, Danilo Leite e Camila Bonfim, e o reitor do IFCE, José Wally Mendonça Menezes na assinatura do Memorando de Entendimento realizado entre a empresa e o instituto. Foto: DivulgaçãoSócios da Vertical Connect, Danilo Leite e Camila Bonfim, e o reitor do IFCE, José Wally Mendonça Menezes na assinatura do Memorando de Entendimento realizado entre a empresa e o instituto. Foto: Divulgação - Foto: Divulgação

O Ceará vai ter uma fábrica de eVTOL em 2024 a ser implantada pela startup Vertical Connect, segundo uma das sócias da empresa, Camila Bonfim. Mas o que é eVTOL ? Popularmente, são chamados de carros voadores, pois apresentam algumas características de um helicóptero, como aterrissar e decolar verticalmente. Ele também tem outra diferença: vai ser elétrico e não usa combustível fóssil. 

“O eVTOL é um drone gigante ou um carro voador”, afirma Camila. “A nossa intenção é termos seis modelos de eVTOL. Todos autônomos (sem piloto). E desenvolvidos com tecnologia 100% brasileira”, resume a executiva. Cada modelo do carro voador terá um fim específico.

São as seguintes as finalidades dos eVTOLs desenvolvidos pela empresa: o de mobilidade urbana pode  transportar até duas pessoas; o destinado a logística vai carregar cargas; o terceiro modelo pode ser destinado às ações policiais, podendo fazer o monitoramento de uma determinada área; O quarto terá o seu uso relacionado às atividades do Corpo de Bombeiros, como apagar incêndios. Já o quinto modelo será destinado ao transporte de doentes, funcionando como uma ambulância, tendo espaço suficiente para uma maca e um passageiro. E o último, o sexto pode ser usado por empresas do agronegócio para, por exemplo, pulverizar áreas.

O primeiro protótipo em tamanho real do e-VTOL está sendo desenvolvido numa cidade do interior de São Paulo. “Ele pode sair do chão, mas como não tem autorização de voo, não pode voar”, comenta Camila. A autorização do voo é necessária porque a máquina vai circular pelo espaço aéreo.

 De acordo com Camila, a empresa já tem algumas cartas de intenção de compras dos carros voadores. “A expectativa é de começar a entregar os primeiros no meio de 2024”, diz. Ela não revela o valor do investimento a ser realizado.

Imagem do protótipo do carro voador desenvolvido em tamanho real pela Vertical Connect. Ele não pode voar, porque ainda não tem autorização. Foto: Divulgação

Parceria no desenvolvimento do carro voador

A Vertical Connect nasceu no interior de São Paulo, mas o escritório comercial da empresa é no Ceará. A empresa está “em tratativas” para se instalar no Ceará, onde já assinou um  memorando de entendimento (MoU) visando o desenvolvimento da aviação comercial e executiva no Estado do Ceará com o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE). “É importante a parceria com o IFCE para desenvolver melhorias na área de mobilidade aérea avançada, produtos que venham facilitar essa cadeia, que vai movimentar todo um ecossistema”, comenta Camila. E acrescenta: “Também serão necessários vertpontos - locais onde os eVTOLs vão pousar e decolar -, pontos de carregamento do carro voador que vai ser elétrico, conhecimentos na área de engenharia civil, engenharia elétrica, entre outros”.

Para o reitor do IFCE, professor José Wally Mendonça Menezes, a instituição está "entrando nessa área graças a expertise dos nossos professores e estudantes nas áreas de mecânica, eletrônica, inteligência de dados e telecomunicação. Isso converge naturalmente para a área aeroespacial". Dentro da parceria, o IFCE vai, junto a Vertical Connect, desenvolver softwares e drones dotados de Inteligência Artificial (IA) voltados para a área da mobilidade urbana e aeronaves modelo eVTOL e realizar pesquisas para os modelos a serem desenvolvidos pela empresa. 

Ainda no dia da assinatura do memorando, o secretário executivo de Comércio, Serviços e Inovação do Estado do Ceará, Fábio Feijó, argumenta que "a ideia da Vertical é que, com essa parceria, toda a produção de eVTOLS seja com produtos e componentes nacionais”, o que, segundo ele, tem a ver com o futuro da mobilidade urbana e com a geração de empregos de um setor que engloba um grande ecossistema.

A planta de produção dos eVTOLs deve funcionar como uma grande montadora e, para isso, ela vai comprar vários produtos e serviços de muitas outras empresas, envolvendo inclusive serviços muito especializados na área de tecnologia. O Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA) vai abrir uma unidade em Fortaleza, porque, em média, os colégios instalados na capital cearense conseguiram aprovar 36,7% de todos os que passaram na seleção do ITA entre 2012 e 2022. O ITA é um dos vestibulares mais difíceis do País.

Leia mais notícias do site Movimento Econômico:

Inteligência Artificial (IA) e ESG são tendências de negócios para 2024

Agronegócio terá ferramenta de BI no Ceará

Veja também

Com Super Sale, Recife Outlet promete mais descontos
Consumo

Com Super Sale, Recife Outlet promete mais descontos

A força do agro se confirma mais uma vez
Coluna Movimento Econômico

A força do agro se confirma mais uma vez