Recife

Caso Tamarineira: réu por triplo homicídio, João Victor Ribeiro vai a júri popular na terça (15)

Segundo o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), 22 pessoas foram arroladas para serem ouvidas como testemunhas

Acidente do bairro da Tamarineira deixou três pessoas mortas e duas feridasAcidente do bairro da Tamarineira deixou três pessoas mortas e duas feridas - Foto: Rafael Furtado/ Arquivo Folha de Pernambuco

Está marcado para a terça-feira (15), no Fórum Desembargador Rodolfo Aureliano, no bairro de Joana Bezerra, área central do Recife, o júri popular de João Victor Ribeiro de Oliveira, responsável pela colisão que deixou três pessoas mortas e outras duas feridas no bairro da Tamarineira, Zona Norte da cidade, em novembro de 2017.

O júri popular ocorrerá, a partir das 9h, na 1ª Vara do Tribunal do Júri da capital. Segundo o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), 22 pessoas foram arroladas para serem ouvidas como testemunhas, entre elas o advogado Miguel Arruda da Motta Silveira Filho - vítima sobrevivente -, além de um assistente técnico, quatro testemunhas comuns à acusação e à defesa, e outras 16 testemunhas somente do rol da defesa.

João Victor é réu por triplo homicídio doloso duplamente qualificado e por dupla tentativa de homicídio.

Relembre o caso:
Em 26 de novembro de 2017, o então universitário João Victor Ribeiro, que tinha 25 anos na época, conduzia, alcoolizado, um Ford Fusion em alta velocidade e avançou o sinal vermelho no cruzamento da Rua Cônego Barata com a Avenida Conselheiro Rosa e Silva, no bairro da Tamarineira, atingindo um Toyota RAV4, onde estavam cinco pessoas.

Acidente do bairro da Tamarineira deixou três pessoas mortas e duas feridasAcidente do bairro da Tamarineira deixou três pessoas mortas e duas feridas. Foto: Rafael Furtado/ Arquivo Folha de Pernambuco

A batida provocou a morte da funcionária pública Maria Emília Guimarães, de 39 anos; do filho dela, Miguel Neto, de 3 anos; e da babá Roseane Maria de Brito Souza, de 23 anos, que estava grávida.

O marido de Maria Emília, o advogado Miguel Arruda da Motta Silveira Filho, que estava ao volante do Toyota, e a filha Marcela Guimarães, na época com 5 anos, ficaram gravemente feridos, mas sobreviveram. 

Veja também

Moradores fecham pista da av. Agamenon Magalhães após fio de alta tensão cair em rua da Zona Norte
Recife

Moradores fecham pista da av. Agamenon após fio de alta tensão cair em rua da Zona Norte

Índia proíbe plásticos de uso único para combater o desperdício
Meio Ambiente

Índia proíbe plásticos de uso único para combater o desperdício