Opinião

2 escorpiões

Lula brincava se referindo a Fernando Haddad como um petista que tinha cara de tucano. Era alguém palatável ao eleitorado, testado e aprovado quando eleito prefeito de São Paulo em 2012.

Haddad é filho de libanês. Seu Kalil tinha uma loja de tecidos. Vendedor nato, imprimiu esse talento no DNA do filho intelectual. Foi somando a astúcia de político com a lábia de vendedor que ele e seu patrício Gabriel Chalita decidiram convencer Lula e Geraldo Alckmin a esquecer o passado e pensar no futuro, unidos numa chapa capaz de vencer as eleições de 2022.

Alckmin é amigo de Chalita, seu ex-secretário de Educação fino, educado e requintado. Aceitou o convite para um café numa padaria em São Paulo (Alckmin ama padarias) e saiu de lá amolecido pela lábia de Chalita, mais perfumada que cedro do Líbano.

Ao mesmo tempo, Haddad cuidava de Lula. Mas não teve muito trabalho. O petista, como sempre, farejou no ar a oportunidade, cortou a conversa pelo meio com um “pode ir em frente”. Haddad foi, ajudou a montar a chapa e conseguiu o apoio de Alckmin para sua candidatura ao governo de São Paulo.

Geraldo Alckmin ganhou a benção de dona Lu, sua companheira há 44 anos. Topou. Chegava ao fim o ostracismo de quase 4 anos. Depois das traições de João Doria, a derrota de 2018 e as perseguições sofridas pela turma da Lava Jato, o acordo com Lula o fez renascer. Desde a posse, Lula e Alckmin têm mantido uma relação protocolar, diferente dos tempos dos 2 mandatos anteriores do petista, quando José de Alencar era o vice.

No Brasil, falar de vice nunca é perda de tempo. É uma realidade inconveniente desde quando Floriano Peixoto conspirou para tirar Deodoro da Fonseca e Manoel Vitorino se aproveitou da ausência de Prudente de Morais - fora de combate por um atentado a faca - para mudar todo o ministério. Nos 134 anos de República, 8 deles assumiram. Nos últimos 38 anos, foram 3 os vices tornados presidentes, praticamente de carreirinha: Sarney, Itamar e Temer.

Alckmin entrou para a política aos 19 anos, eleito vereador pelo MDB de Pindamonhangaba em 1972. Mais 4 anos, virou prefeito.

Caçula de uma família de 3 irmãos, perdeu a mãe aos 9 anos e foi criado pelo pai. Doutor Geraldo, veterinário, católico fervoroso ligado à ordem dos franciscanos, fez voto de pobreza. Imagine um pai criando 3 filhos no interior de São Paulo, início dos anos 1960, duro na moral, nos costumes, entregue por inteiro na fé e sem dinheiro.

Não é por acaso que Geraldo Filho guardou para o resto da vida os hábitos espartanos, o foco e a obsessão por atingir objetivos. Não bebe, não gosta de badalação e não expõe sua vida pessoal. A fé o salvou da depressão quando perdeu o filho Thomás num acidente de helicóptero em 2015.

Em 1987, desembarcou em Brasília como constituinte. Cabeleira basta, jovem e vibrante, o deputado autor do Código de Defesa do Consumidor continua desapegado, usa os mesmos ternos há décadas e dirige um carro popular há pelo menos 5 anos. Odeia exageros e desperdícios.

Em 1994, chegou ao poder em São Paulo como vice de Mário Covas. Reeleito, Covas morreu consumido por um câncer e Geraldo Alckmin assumiu o governo. Foi o político que por mais tempo governou São Paulo: 14 anos em 2 períodos (de 2001 a 2006 e de 2011 a 2018). Enfrentou Lula na eleição de 2006 e foi derrotado. Fez oposição dura ao PT. Em 2018 chegou em 4º lugar, uma derrota acachapante.

Com uma aposentadoria do INSS de R$ 5.000, teve de se reinventar: voltou a dar aulas e atuou como comentarista dando dicas de saúde num programa de TV. Até que Chalita - ou o destino - bateu na sua porta trazendo a chapa Lula-Alckmin na algibeira. Vice novamente.

Até aqui, passados 11 meses desde a posse de Lula, Geraldo Alckmin tem sido impecável no posto de vice. Mantém uma agenda cheia, articula, recebe políticos, segue ouvindo muito e falando pouco. No caso dele, há um detalhe interessante: médico anestesista, sua especialidade é trabalhar enquanto o paciente dorme.

Quem conhece Geraldo Alckmin de perto, como Márcio França, seu ex-vice e atual ministro do Empreendedorismo, sabe que o doutor anota tudo num caderninho: alegrias e tristezas. É daqueles que guarda as raivas na geladeira, como dizia Tancredo Neves.

Fez as contas e entendeu que não será novamente vice de Lula. O poder voltou a impor limites entre eles nesta união de circunstâncias. O PT e Alckmin não afinam. Márcio França, seu homem de confiança e único indicado por ele para o ministério, virou moeda de troca na 1ª investida do Centrão. Na sequência, o vice foi escanteado para que Janja assumisse seu lugar na visita ao Rio Grande do Sul, quando Lula foi operado. Bem ao seu estilo, Alckmin não passou recibo, mas declarou apoio à deputada Tabata Amaral na disputa pela Prefeitura de São Paulo. O PT vai de Guilherme Boulos, que ele ajudou a derrotar em 2020. O recado foi claro: vamos ver quem tem mais votos em São Paulo. Manter a base é sobreviver. Não conspira e nem conspirará contra Lula, mas não abre mão dos seus espaços de poder.

Embora diferentes, Lula e Alckmin acabam sendo muito parecidos, personalidades fortes e espaçosas. São 2 escorpiões. Lula de outubro, Geraldo de novembro. Ambos não têm herdeiros políticos e onde pisam não nasce grama. Escorpiões são predadores naturais, uns mais outros menos agressivos, porém costumam ser implacáveis. Presidente e vice cultivam uma relação de respeito, mas dificilmente a dupla de escorpianos repetirá a dobradinha em 2026.



*Jornalista



- Os artigos publicados nesta seção não refletem necessariamente a opinião do jornal. Os textos para este espaço devem ser enviados para o e-mail [email protected] e passam por uma curadoria para possível publicação.

Veja também

Macron anuncia "coalizão" de países para envio de mísseis de maior alcance à Ucrânia
Emmanuel Macron

Macron anuncia "coalizão" de países para envio de mísseis de maior alcance à Ucrânia

"Falso amor" é usado como meio para aplicar golpes com criptomoedas nos EUA
EUA

"Falso amor" é usado como meio para aplicar golpes com criptomoedas nos EUA