Opinião

2022 e a incógnita das eleições

Quando o físico Werner Heisemberg formulou o clássico Princípio da Incerteza (concluindo ser impossível determinar, simultaneamente, a posição e a velocidade uma partícula), nem perto estava das incertezas que nos cercam nesta tumultuada disputa eleitoral contemporânea.

Embora alguns apostem cegamente que o seu escolhido ganhará -, qual um advogado que, incipientemente, promete ser causa ganha a do seu cliente - não há, presentemente, nenhuma conclusão possível.

Quando alguém surge com tanta convicção a respeito, dá vontade de responder, como fizera o poeta Fernando Pessoa, em (Lisbon revisited), quando assim versificou: “Não me venham com conclusões/A única conclusão possível é morrer”.

Desde a proclamação da República, o País já encarou mais de 31 eleições presidenciais, todavia a atual conjuntura em que nos achamos imersos, destoa quilometricamente das de outrora.

Já estivemos entre tantos dilemas, às vezes do mesmo lado, mas no lado errado; ou às vezes em lados opostos, mas cada qual com um lado certo. Entretanto (e entre tantos percalços nos percursos), sublinha-se, hodiernamente, uma atmosfera política bem incomum, em que a precisão é tão estéril quanto uma vida sem sentimentos.

De uma coisa, podemos ter certeza; não levará muito tempo para que nos certifiquemos de que “tudo é vaidade, vaidade de vaidades”. E não adianta se encher de absoluta certeza agora, que uma nesga de dúvida transbordará em queixumes no porvir.

O que interessa de imediato, para os sedentos de fome; os carente de saúde, os ansiosos por justiça e por segurança pública, é uma mínima garantia de que os candidatos não irão seguir a tradição de deixar suas promessas esquecidas, por mais quatro anos.

Isso é, sem dúvida, o que mais separa a escolha inicial por um candidato, até a aposição das digitais, nas urnas eletrônicas. Dado o enter, não será possível, de imediato deletar, tampouco revogar uma escolha equivocada. Todavia, e como consolo, considerando a periodicidade que caracteriza o nosso sistema de voto e, por conseguinte, do mandato que o titular do poder outorga aos seus representantes, em uma quadra de anos, volveremos às urnas, para uma nova possibilidade.

É assim que se caracteriza o nosso sistema. Tem sido assim que marchamos, desde há muito. A vontade de acertar, de que se mune a grande maioria é, sem dúvida, maior que a segurança e certeza na escolha.

Ideal seria que nossa condição humana de pobres mortais nos possibilitasse tão-somente olhar os lírios do campo, mas sentimos medo, frio e fome, que nos sacolejam de um jeito tão avassalador, que não conseguimos nos conter.



*Defensor Público e professor



- Os artigos publicados nesta seção não refletem necessariamente a opinião do jornal. Os textos para este espaço devem ser enviados para o e-mail [email protected] e passam por uma curadoria para possível publicação.


 

Veja também

Destruição em Gaza aumenta isolamento de Israel e põe em xeque aliança com os EUA, seu fiel aliado
MUNDO

Destruição em Gaza aumenta isolamento de Israel e põe em xeque aliança com os EUA, seu fiel aliado

Rússia anuncia novas conquistas territoriais na Ucrânia após dois anos de ofensiva
GUERRA NA UCRÂNIA

Rússia anuncia novas conquistas territoriais na Ucrânia após dois anos de ofensiva