COVID-19

A efetividade de todas as medidas anticovid, um quebra-cabeça para os cientistas

Mulher usa máscara contra a Covid-19. Foto iliustrativaMulher usa máscara contra a Covid-19. Foto iliustrativa - Foto: Yuri Kadobnov/AFP

Quais medidas são as mais eficazes contra a Covid-19? Após quase dois anos de pandemia, e de uma série de pesquisas e testes, é difícil comparar, segundo um vasto estudo de compilação publicado recentemente.

"Ainda faltam resultados de excelente qualidade sobre o SARS CoV-2", o vírus que causa a covid, "e sobre a eficácia das medidas de saúde pública", resume o estudo publicado na quarta-feira no British Medical Journal (BMJ), uma das revistas de referência no mundo científico.
 

O estudo é um dos primeiros que avalia de maneira exaustiva toda a paleta de opções contra a Covid-19.

Desde o surgimento da pandemia no início de 2020, o mundo virou um laboratório de medidas de todo tipo, de estritamente médicas a sociais e inclusive políticas: fechamento de fronteiras, confinamento em diferentes graus da população, obrigação do uso de máscara, vacinação forçada ou recomendada...

Os estudos têm sido parciais sobre cada uma das soluções. O novo relatório publicado pelo BMJ engloba todos e atribui um nível de importância com base no rigor científico.

70 estudos 

A partir de 70 estudos, os pesquisadores concluem que "lavar as mãos, usar máscara e aplicar o distanciamento físico" são medidas eficazes para reduzir a propagação do vírus. 

Porém, o impacto não é decisivo, e quanto às demais opções os pesquisadores nem sequer chegam a ter certeza sobre como foram estudadas ou aplicadas.

"Por causa de heterogeneidade dos estudos, não foi possível elaborar uma meta-análise sobre os efeitos das quarentenas e das medidas de isolamento, os confinamentos estrictos, o fechamento de fronteiras, de escolas e locais de trabalho", admitem.

Uma meta-análise permite não apenas examinar de maneira profunda os resultados de diferentes estudos, ma também combiná-los, por exemplo para elaborar políticas públicas.

Os autores do informe reconhecem que nem mesmo conseguiram avaliar o rigor das pesquisas sobre os efeitos da ventilação de ambientes fechados. E isto apesar da medida ser amplamente recomendada e utilizada para combater um vírus que é transmitido pelo ar.

O artigo do BMJ não descarta a utilidade das medidas. Apenas afirma que em vários casos, os estudos feitos não continham dados suficientes, ou não foram realizados com a amplitude ou o tempo necessários.

Em alguns casos, o problema é o campo de estudo, ao contrário dos trabalhos realizados com as vacinas anticovid ou os tratamentos médicos. 

As medidas sociais, como os confinamentos ou uso de máscaras, têm sido adotadas de forma simultânea em todos os países e, portanto, é difícil abordá-las de maneira isolada. Em alguns casos, a medida era obrigatória, em outros uma simples recomendação.

Veja também

Enchentes nos Emirados deixa três filipinos mortos e tráfego aéreo interrompido em Dubai
CHUVAS

Enchentes nos Emirados deixa três filipinos mortos e tráfego aéreo interrompido em Dubai

10ª Semana do Bebê do Recife começa neste domingo (21); veja progamação completa
SEMANA DO BEBÊ

10ª Semana do Bebê do Recife começa neste domingo (21); veja progamação completa

Newsletter