'A partir de janeiro, polícia vai atirar para matar', afirma João Doria

A afirmação contraria o método Giraldi, seguido pela polícia paulista. O método prevê o uso progressivo da força.

Além de Dória, Eduardo Leite (RS) e Reinaldo Azambuja (MS) manifestaram apoio à agenda de BolsonaroAlém de Dória, Eduardo Leite (RS) e Reinaldo Azambuja (MS) manifestaram apoio à agenda de Bolsonaro - Foto: Cristino Martins/AG. Pará

O candidato João Doria afirmou que, a partir de 1º de janeiro, a polícia vai atirar para matar se bandidos reagirem. "Não façam enfrentamento com a Polícia Militar nem a Civil. Porque, a partir de 1º de janeiro, ou se rendem ou vão para o chão", disse à rádio Bandeirantes. "Se fizer o enfrentamento com a polícia e atirar, a polícia atira. E atira para matar", afirmou.

A afirmação contraria o método Giraldi, seguido pela polícia paulista. O método prevê o uso progressivo da força. Ou seja, se houver possibilidade, o mais desejável é ferir o criminoso, sem matá-lo.

Leia também:
Temer divulga vídeo rebatendo críticas de João Dória ao seu governo
Em vídeo, Bolsonaro diz que vai ‘quebrar sistema'
Em vídeo, Ciro critica fala de Mourão sobre o 13º
Haddad diz que buscará todas as formas jurídicas de libertar Lula
'Se protejam, saiam juntas', diz Ciro a mulheres sobre protesto contra Bolsonaro

Na tentativa de pegar carona na popularidade de Jair Bolsonaro, Doria tem feito discursos mais duros na área da segurança. Em ato de apoio a Bolsonaro, aliados do capitão reformado cobraram que Doria se posicione a favor do presidenciável do PSL.

Veja também

Pernambuco registra 1.450 novos casos e 29 óbitos por Covid-19
Coronavírus

Pernambuco registra 1.450 novos casos e 29 óbitos por Covid-19

Covid-19: entidade orienta sobre vacinação em pacientes reumáticos
Saúde

Covid-19: entidade orienta sobre vacinação em pacientes reumáticos