Saúde

A segurança da vacina contra a Covid-19 independe do país de origem, destacou secretário de Saúde

O presidente da República, Jair Bolsonaro, questionou o crédito da China para vacina afirmando que "pela sua origem" o medicamento não tem credibilidade

Dose da vacina contra o coronavírus CoronaVac, da empresa chinesa SinovacDose da vacina contra o coronavírus CoronaVac, da empresa chinesa Sinovac - Foto: Silvio Avila/AFP

Reagindo às declarações do Governo Federal sobre a vacina contra a Covid-19, André Longo, secretário de Saúde de Pernambuco e vice-presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), alegou que a inclusão de uma vacina no Programa Nacional de Imunização deve se ater às questões técnicas.

"O embate político e as influências ideológicas na área da saúde, sobretudo com relação a este assunto, têm uma influência muito ruim na assistência à população", assegurou. 

A avaliação das vacinas contra a Covid-19, assim como todas as vacinas distribuídas pelo Plano Nacional de Imunização (PNI), é feita pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A CoronaVac, que é desenvolvida em parceria entre a farmacêutica Sinovac Life Science e o Instituto Butantan, de São Paulo, é uma das vacinas com a pesquisa mais avançada no mundo. A vacina já havia sido designada como "vacina do Brasil", de acordo com Eduardo Pazuello, atual ministro da Saúde, e seus dados já estavam sendo avaliados pela Anvisa.

Contudo, após a confirmação de compra de doses da vacina pelo Ministério da Saúde, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) desautorizou a aquisição, afirmando que "o povo brasileiro não será cobaia de ninguém". 

Em entrevista coletiva remota realizada nesta quinta-feira (22), no Recife, André Longo salientou que a vacina distribuída para os brasileiros deve ser segura e avalizada pelas autoridades sanitárias do País.

"A população brasileira precisa ter acesso a toda vacina que seja segura e eficaz, que tenha seu processo de modelagem e estudo avaliado pelo comitê técnico da Anvisa, que faz essa liberação. Pouco importa a origem da vacina; se ela é eficaz e segura, deve ser incorporada ao PNI", ressaltou o secretário estadual.

De acordo com ele, o Conass espera que prevaleça a boa técnica para que a vacina esteja disponível para a população o mais breve possível. "A gente confia muito que vai prevalescer a técnica, a boa técnica, nesse processo, e estaremos vigilantes. Nós não vemos, nesse momento, nenhuma necessidade de intervenção judicial ou qualquer outra intervenção. Estamos acompanhando o processo e, diante disso, esperando que possamos ter uma vacina disponivel, se possivel, nos primeiros meses do ano de 2021", concluiu Longo. 
 

Veja também

Barroso manda governo proteger três terras indígenas da Covid-19 e diz que "situação é gravíssima"
Coronavírus

Barroso manda governo proteger três terras indígenas da Covid-19 e diz que "situação é gravíssima"

OAB define que metade dos cargos de direção da ordem deverá ser ocupada por mulheres
Equidade

OAB define que metade dos cargos de direção da ordem deverá ser ocupada por mulheres