Mundo

A situação no Haiti "nunca esteve tão ruim", diz Unicef

"O Haiti está realmente se tornando uma crise esquecida", denunciou Catherine Russell, poucos dias depois de sua visita a Porto Príncipe

Violência no Haiti deixou mais de 600 mortos só em abril, alerta ONUViolência no Haiti deixou mais de 600 mortos só em abril, alerta ONU - Foto: Richard Pierrin / AFP

Meninas estupradas, menores recrutados por organizações criminosas, casas incendiadas. A diretora-executiva do Unicef descreveu nesta quinta-feira (19) os "horrores" sofridos pela população do Haiti e pediu ao mundo que não se esqueça deste país assolado pela violência.

"O Haiti está realmente se tornando uma crise esquecida", denunciou Catherine Russell, poucos dias depois de sua visita a Porto Príncipe.

Cerca de 5,2 milhões de pessoas, quase metade da população, precisam de ajuda humanitária. Entre elas, cerca de 3 milhões são menores de idade, lembrou.

"Grupos armados violentos controlam mais de 60% da capital e grande parte da região agrícola do país", afirmou.

"Os haitianos de nossa equipe no país me disseram que a situação nunca foi tão ruim quanto agora: fome e desnutrição sem precedentes, paralisia econômica, ressurgimento da cólera e insegurança generalizada, que criam uma espiral de violência".

À esta situação são somadas as inundações e terremotos que "lembram a vulnerabilidade do Haiti à mudança climática e aos desastres naturais", afirmou.

A diretora do órgão da ONU que presta assistência a crianças em todo mundo condenou o uso do estupro "como arma de intimidação e controle" por gangues armadas.

"Uma menina de 11 anos me disse com sua voz doce que cinco homens a pegaram na rua. Três a estupraram. Quando conversamos, ela estava grávida de oito meses e deu à luz alguns dias depois".

Outra mulher disse a ela que "homens armados invadiram sua casa e a estupraram. Sua irmã de 20 anos resistiu e foi queimada viva. Em seguida, colocaram fogo na casa".

"Mulheres e crianças morrem, escolas e locais públicos que deveriam ser abrigos não são mais abrigos. O mundo, coletivamente, abandona o povo haitiano e se não tomarmos medidas imediatas é difícil imaginar um futuro digno para esta população", afirmou.

O governo haitiano pediu à ONU que envie ao país uma força internacional de intervenção para ajudar a polícia, sem resposta até agora.

"Como comunidade internacional, não podemos ficar de braços cruzados vendo o país desmoronar", alertou.

Veja também

"Cheiro perturbador": Crise sanitária em Gaza força moradores a viver entre pilhas de lixo
MUNDO

"Cheiro perturbador": Crise sanitária em Gaza força moradores a viver entre pilhas de lixo

Quem são os Hinduja, família mais rica do Reino Unido, investigada por tráfico humano
MUNDO

Quem são os Hinduja, família mais rica do Reino Unido, investigada por tráfico humano

Newsletter