A tecnologia como parceira para cuidar da visão

O diagnóstico precoce é a melhor maneira para salvar visões. A principal recomendação é procurar um oftalmologista anualmente

Dr. Álvaro Dantas é diretor do Icone que realiza cerca de 10 cirurgias oculares por dia Dr. Álvaro Dantas é diretor do Icone que realiza cerca de 10 cirurgias oculares por dia  - Foto: Léo Malafaia/Folha de Pernambuco

As cirurgias minimamente invasivas são técnicas modernas que ajudam na qualidade de vida dos pacientes. Uma das principais preocupações das pessoas que necessitam fazer cirurgias oculares é o pós-operatório. A desconfortável e periódica aplicação de colírios, por exemplo, surge como um inconveniente no período de recuperação. Referência em diagnósticos e correções visuais, o Instituto de Cirurgia Ocular do Nordeste (Icone) realiza cerca de 200 cirurgias oculares por mês.

Diretor do instituto, o premiado oftalmologista dr. Álvaro Dantas, ressalta a evolução da área durante sua carreira. “Tenho 20 e poucos anos de Oftalmologia e podemos comparar a evolução do início da minha profissão para agora, como a de uma carroça para um supersônico. A diferença é gritante, não dá para comparar”, disse. Entre as principais novidades da parceria entre tecnologia e Oftalmologia estão cirurgias minimamente invasivas. No Icone são feitas intervenções do tipo para tratamento de glaucoma, catarata e ceratocone, além das cirurgias refrativas - para correção de grau.
“Colírios costumam irritar muito os olhos. Além de existir uma dificuldade do paciente de ficar lembrando uma vida inteira de pingar colírios uma, duas, três, quatro vezes ao dia”, relembra dr. Álvaro Dantas. Este tipo de cirurgia traz mais conforto aos pacientes. “Trouxeram um nível de segurança bem maior do que antes. São várias vantagens como a diminuição dos riscos de infecção, menor inflamação e recuperação mais rápida. É uma revolução pela qual a Oftalmologia vem passando. Não tem ponto, não tem tampão”, acrescentou.

Glaucoma, Catarata  e Cirurgia Refrativa
Dr. Álvaro cita a MIGS (cirurgias minimamente invasivas de glaucoma, em tradução livre da sigla em inglês), como uma das técnicas mais modernas no combate do glaucoma. A catarata é uma doença que necessariamente se desenvolve com o envelhecimento humano. “Se viver o suficiente, toda catarata chegará à cegueira total”, diz Dantas. “É uma cirurgia extremamente segura, precisa e libertadora. Na cirurgia de catarata conseguimos implantar lentes especiais que podem eliminar completamente a dependência dos óculos. Conseguimos fazer em menos de 10 minutos", relata o médico.
As cirurgias refrativas - para correção de grau - também contam com as mais modernas técnicas.

“Você entra numa sala com cinco graus de miopia totalmente dependente de óculos e sai da sala em três minutos corrigido, enxergando bem com um procedimento minimamente invasivo e com riscos quase zero”, explica Dr. Álvaro, que se refere à técnica smile (extração lenticular de pequena incisão, na tradução livre da sigla em inglês). Essa técnica, desenvolvida pela empresa alemã Zeiss, foi trazida com pioneirismo pelo Icone, um dos primeiros centros oftalmológicos brasileiros a instalar o Visumax, equipamento que opera o smile.

No contexto do Abril Marrom, o especialista relembra a importância da procura pela melhor opção: “a principal recomendação é procurar anualmente um oftalmologista para que possa examinar seus olhos. O diagnóstico precoce pode salvar muitas visões”.

'Estou satisfeita com o resultado'
A professora Ana Paula Vaz, de 50 anos, descobriu a cirurgia minimamente invasiva após oito anos tratando o glaucoma por vários procedimentos diferentes. "Cheguei a usar cinco colírios por dia. A minha pressão voltou a subir após a cirurgia e tive vários problemas. O médico me falou dessa tecnologia que dr. Álvaro tinha trazido para o Recife", disse.

Após fazer todos os exames, a paciente passou pela cirurgia no Icone, em dezembro de 2017. "Está totalmente controlado. Venho fazendo exames periódicos para acompanhar e não tem tido avanço do nervo óptico", acrescentou Ana Paula se referindo ao período pós-operatório. Por fim, ela afirma estar satisfeita com o resultado da cirurgia. "A quem posso indicar, eu indico", concluiu.

Veja também

Menina morre asfixiada na Itália ao participar de desafio no TikTok
"Desafio do apagão"

Menina morre asfixiada na Itália ao participar de desafio no TikTok

Indígenas venezuelanos refugiados farão universidade no PA
Educação

Indígenas venezuelanos refugiados farão universidade no PA