Covid-19

Abramed alerta para possíveis falhas no autoteste e pede ao ministério que sejam em laboratórios

Segundo a Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica, apesar de ter terem uma aparente facilidade de aplicação, os dispositivos têm complexidade tecnológica e exigem precisão no manuseio para evitar falsos negativos

Teste de Covid-19Teste de Covid-19 - Foto: Odd Andersen/AFP

 Após a aprovação do uso e venda de autotestes para detectar a Covid-19 no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed) se manifestou apoiando a decisão do órgão, mas chamou a atenção para possíveis falhas na execução e no uso dos testes, que exigem precisão no manuseio.

A Abramed reforçou que aguarda a inclusão das orientações sobre o uso dos autotestes em uma atualização do “Plano Nacional de Expansão de Testagem para Covid-19” (PNE Teste).

Em nota, a Abramed disse que "sente-se na obrigação de alertar e reforçar a sua preocupação com a qualidade desses dispositivos e possíveis falhas na execução dos autotestes que, embora tenham uma aparente facilidade de aplicação, têm complexidade tecnológica e exigem que todas as etapas sejam realizadas com muito cuidado".

A entidade acrescentou que a utilização incorreta dos testes levam à obtenção de falso-negativos, o que, do ponto de vista epidemiológico, é "extremamente grave por trazer falsa sensação de segurança em relação a não transmissibilidade da COVID-19".

Junto à Sociedade Brasileira de Análises Clínicas – SBAC, e à Sociedade Brasileira de Patologia Clínica / Medicina laboratorial – SBPC/ML, o órgão informou que enviou ofício ao Ministério da Saúde para solicitar que os autotestes sejam realizados junto de Laboratórios Clínicos para que sejam orientados e supervisionados por profissionais capacitados.



A Abramed reiterou que este tipo de teste tem caráter de triagem e requer confirmação para que o diagnóstico da Covid-19 seja confirmado.

Na semana passada, diretores da agência sinalizaram de forma favorável à autorização de uso de autotestes no Brasil, mas adiaram a decisão sob a justificativa de falta de políticas públicas. Uma nova nota técnica foi enviada à Anvisa na noite de terça-feira.

A venda do produto será permitida em farmácias e estabelecimentos de saúde licenciados, sendo proibida a oferta em outros sites na internet que não estejam autorizados. A agência informou que os primeiros produtos devem ser aprovados para comercialização em fevereiro.

A resolução da Anvisa sobre os requisitos para o uso do autoteste foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União na tarde desta sexta-feira. Assim, as empresas já podem pedir o registro para a comercialização do produto. Os pedidos feitos anteriormente estão indeferidos.

FAQ: Já posso comprar o autoteste de Covid nas farmácias? Tire suas dúvidas após a aprovação da Anvisa

A relatora do processo, Cristiane Rose Jourdan, votou a favor da liberação. Ela argumentou que os autotestes já são usados em outros países, como Alemanha, Reino Unido e Estados Unidos. Em seu voto, citou a política de autoteste aperfeiçoada pelo Ministério da Saúde.

— Ressalto a importância de ampliar o acesso a testes que permitam a detecção do antígeno SARS-Cov-2, como estratégia de triagem, a fim de se iniciar rapidamente o isolamento dos casos positivos e serem tomadas as ações necessárias para interrupção da cadeia de transmissão — destacou Cristiane Jourdan.

Veja também

Policial Militar é acusado de atirar em entregador após se recusar a buscar lanche em portaria
RIO DE JANEIRO

Policial Militar é acusado de atirar em entregador após se recusar a buscar lanche em portaria

Caso de brasileira estuprada por sete homens na Índia expõe histórico de violência sexual no país
MUNDO

Caso de brasileira estuprada por sete homens na Índia expõe histórico de violência sexual no país