Aedes aegypti

Ações contra o mosquito tomam conta do País

Ele visita a Unidade de Saúde da Família Bernard van Leer, em Brasília Teimosa, acompanhado de autoridades locais, às 11h, em atividades de alerta.

Paulo CâmaraPaulo Câmara - Foto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco

 

O Governo Federal dá início hoje à mobilização nacional de enfrentamento ao Aedes aegypti, transmissor de dengue, zika e chikungunya. Várias ações em capitais têm a presença de ministros atuando em conjunto com gestões municipais e estaduais. No Recife, a missão foi dada ao chefe da pasta da Defesa, Raul Jungmann. Ele visita a Unidade de Saúde da Família Bernard van Leer, em Brasília Teimosa, acompanhado de autoridades locais, às 11h, em atividades de alerta.
O Comando Militar do Nordeste integra as estratégias. Cerca de 7,6 mil homens estarão voltados para palestras em escolas e mutirões de limpeza em organizações militares de hoje até 28 de abril, período que se verifica picos epidêmicos de arboviroses.

O CMNE informou que a meta é visitar 127 escolas no Estado, sendo 57 no Recife, em Olinda e Jaboatão dos Guararapes. Serão priorizadas unidades de ensino de áreas de grande incidência do mosquito. A iniciativa inclui intensificação de eliminação de focos e possíveis criadouros em todas organizações militares. O trabalho será realizado às sextas-feiras, como pede a campanha nacional de faxina contra o Aedes. Até o momento não foi solicitado pelas prefeituras presença de soldados para apoio de campo aos agentes epidemiológicos, como já houve.
O secretário da Saúde do Recife, Jailson Correia, destaca que a mobilização nacional é importante para alertar sobre a necessidade de vigilância constante: “É relevante mobilizar o País inteiro, mas não devemos esquecer que é uma ação permanente e que não podemos descuidar em momento nenhum”.

 

Veja também

Homem é espancado por grupo de pessoas em confusão por som alto no Janga, em Paulista
Violência

Homem é espancado por grupo de pessoas em confusão por som alto no Janga, em Paulista

Letalidade menor da Covid-19 eleva dúvidas sobre confinamentos, diz epidemiologista
Entrevista

Letalidade menor da Covid-19 eleva dúvidas sobre confinamentos, diz epidemiologista