Acompanhantes dos candidatos ao Enem aguardam ansiosos do lado de fora

Por volta de 16h30, o volume de estudantes deixando o local de prova aumentou consideravelmente

Nota do Livres foi divulgada no FacebookNota do Livres foi divulgada no Facebook - Foto: facebook

Enquanto milhares de estudantes realizavam as provas do primeiro dia do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), neste sábado (5), do lado de fora dos locais de prova, a expectativa era tão grande, ou até maior, entre os pais, amigos e acompanhantes dos candidatos.

Na Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), no bairro da Boa Vista, desde cedo os acompanhantes se aglomeravam nos portões e nos arredores do local. As expressões demonstravam a ansiedade e apreensão de todos.

“Esta é a segunda vez que minha filha faz a prova. Ela quer tentar biomedicina. Nós, pais, queremos sempre vê-los serem aprovados. Eu, pessoalmente, sou contra as ocupações. Se a prova da minha filha tivesse sido adiada, ela não teria condições de fazer”, afirma Janete Silva, mãe da estudante Angélica.

O estudante Alex Silva, de 26 anos, foi acompanhar a namorada Julia, que deseja cursar gastronomia: “A gente sempre fica apreensivo porque, por mais que eles se preparem, é também um teste de resistência. O cansaço e o desgaste físico contam muito”.

Por volta de 16h30, o volume de estudantes deixando o local de prova aumentou consideravelmente. Isto ocorreu, em grande parte, devido à liberação da saída com o caderno de questões. Na hora, a aflição dava lugar ao alívio. Quase em unanimidade, os pais e acompanhantes questionavam sobre a prova.

O segundo dia será voltado às disciplinas de Linguagens, Códigos e Suas Tecnologias, Redação e Matemática e Suas Tecnologias. A prova terá 5h30 de duração.

Veja também

Letalidade menor da Covid-19 eleva dúvidas sobre confinamentos, diz epidemiologista
Entrevista

Letalidade menor da Covid-19 eleva dúvidas sobre confinamentos, diz epidemiologista

Arce assumirá as rédeas de uma Bolívia polarizada e em crise econômica
América Latina

Arce assumirá as rédeas de uma Bolívia polarizada e em crise econômica