Acusado de 25 mortes, Nego de Lídio vivia tranquilamente em fazenda

Na propriedade rural, o criminoso negociava gado e vinha ao Grande Recife, esporadicamente, apenas para matar

Criminoso 'Nego de Lídio' acusado de pelo menos 25 homicídiosCriminoso 'Nego de Lídio' acusado de pelo menos 25 homicídios - Foto: Divulgação/ PMPE

Um dos criminosos mais procurados de Pernambuco, Jerry Adriani Gomes da Silva, conhecido como "Nego de Lídio", foi preso na última quarta-feira (28). No momento da prisão, ele estava portando os documentos do irmão, mas não negou sua identidade nem reagiu.

Nos últimos anos, Nego de Lídio estava vivendo tranquilamente numa propriedade rural no Piauí, Fazenda Água Viva, onde realizava compras e vendas de gado e, esporadicamente, vinha a Pernambuco para matar pessoas ligadas a quadrilhas rivais. O criminoso confessou que, somente no ano passado, foram quatro mortes no Sertão.

Leia também:
Preso um dos criminosos mais procurados de Pernambuco
Pedófilo que aliciava crianças pelo Facebook é preso em Jaboatão


O homem é acusado de ter praticado cerca de 25 homicídios e cumpria pena de 47 anos e ainda aguardava três juris populares. Ele já esteve preso na Penitenciária Barreto Campelo, em Itamaracá, no Grande Recife,  e fugiu através de um túnel. A PMPE afirmou que agora, devido ao histórico de fuga, as atenções serão redobradas.

Com a captura de Lídio, a polícia acredita que outras quadrilhas ficarão desestabilizadas. "Esse trabalho que vem sendo desenvolvido através da Força Tarefa Bancos busca reduzir o número de quadrilhas e prender os seus líderes e integrantes. Prendendo o Nego de Lídio, vai abalar as quadrilhas remanescentes", explicou o tenente-coronel do Batalhão Especializado do Policiamento do Interior (BEPI), Ely Jobson. 

Veja também

A 8 dias da eleição, Senado dos EUA confirma juíza ultraconservadora para a Suprema Corte
internacional

A 8 dias da eleição, Senado dos EUA confirma juíza ultraconservadora para a Suprema Corte

Brasil atinge 5,4 milhões de casos da Covid-19
boletim

Brasil atinge 5,4 milhões de casos da Covid-19