Advogado de José Maria Rosendo diz que acusação tenta "pintá-lo como a figura do diabo"

Réu é acusado de ser o mandante do assassinato do promotor Thiago Faria Neves

José Maria de Mané Pedro é apontado como mandante do assassinato do promotorJosé Maria de Mané Pedro é apontado como mandante do assassinato do promotor - Foto: Clemilson Campos/Arquivo Folha de Pernambuco

O advogado João Olímpio Mendonça, que defende José Maria Pedro Rosendo Barbosa no julgamento de três dos cinco acusados pela morte do promotor Thiago Faria, afirmou, na tarde desta quinta-feira (27), no Recife, que a acusação tenta "pintá-lo como perigoso". Ele também desqualificou os depoimentos de Mysheva Martins, noiva do promotor, à polícia. José Maria é acusado de ser o mandante do assassinato.

O julgamento começou na última segunda-feira (24), na sede da Justiça Federal, no bairro do Jiquiá, Zona Oeste do Recife. A expectativa é que o julgamento termine na madrugada desta sexta-feira (28).

Leia mais:
"Arquiteto do crime", diz acusação sobre Zé Maria; Mysheva passa mal
Relembre os destaques do julgamento do caso Thiago Faria Soares
Acusação tem "convicção máxima" da condenação dos réus no caso Itaíba
Para defesa dos réus no caso Itaíba, há carência de provas técnicas
"Mysheva está muito abalada e tem medo de morrer", diz advogado
No terceiro dia, Mysheva é alvo das acusações

João Olímpio Mendonça disse que as acusações contra Zé Maria são embasadas somente na conduta dele anterior ao crime e que os advogados de acusação estão tentando formular uma imagem "de cão de tridente, a figura do diabo" a respeito do réu, com base no passado. "Isso é técnica de júri. Estão tentando pintá-lo como perigoso, bandido. Ele tem antecedentes? Tem. A discussão não é essa. A discussão é se há prova de que ele mandou matar Thiago. E sobre isso não há provas técnicas", declarou. "Não está sendo julgado se ele tem uma desavença de 30 anos atrás com a família de Mysheva", contestou.

O advogado também desqualificou os depoimentos de Mysheva à polícia. Disse que, no dia seguinte ao crime, a noiva do promotor reconheceu Edmacy Ubirajara (cunhado de Zé Maria) como atirador, e confirmou em reconhecimento presencial dois dias seguintes. Depois, Ubirajara acabou liberado pela polícia. A partir disso, o advogado disse que, do mesmo modo, as acusações contra Zé Maria partiram de Mysheva.

Ele alegou que o depoimento sobre o crime tem pontos estranhos. Disse que é estranho Thiago, após levar um tiro no pescoço, ter condição de parar o carro automático com marcha em posição de estacionamento. Também disse ser estranho Mysheva sair com a roupa "sem nenhuma gota de sangue", mesmo o carro estando "um festival de sangue, como foi dito aqui".

João Olímpio concluiu sua fala argumentando que Mysheva e o tio dela, Adautivo Martins, que também estava no carro na hora do crime, "nunca foram o alvo" dos assassinos. "O algo era Thiago. Quem foi o mandante do crime teve a intenção, com certeza, de poupá-la", disse, deixando claro, em seguida, que Zé Maria sequer conhecia o promotor Thiago Faria.

Entenda o caso

O crime ocorreu no dia 14 de outubro de 2013 no interior de Pernambuco. Thiago Farias Soares estava com a noiva, a advogada Mysheva Martins, e do tio dela Adautivo Martins. Eles seguiam pela rodovia PE-300 a caminho de Itaíba, quando foram abordados por homens armados.

Os tiros atingiram Thiago, que morreu na hora. O veículo deles parou. O carro dos assassinos contornou a via e, segundo as investigações, retornou para tentar assassinar tio e sobrinha, que escaparam com vida após se jogarem para fora do veículo, na estrada. A arma do crime nunca foi encontrada.

A motivação do crime teria sido a compra de 25 hectares de uma fazenda em Águas Belas. O imóvel, que possuía uma extensão total de 1.800 hectares, foi adquirido por Mysheva em um leilão - com isso, parentes de José Pedro teria sido obrigado a deixar o local.

Veja também

A 8 dias da eleição, Senado dos EUA confirma juíza ultraconservadora para a Suprema Corte
internacional

A 8 dias da eleição, Senado dos EUA confirma juíza ultraconservadora para a Suprema Corte

Brasil atinge 5,4 milhões de casos da Covid-19
boletim

Brasil atinge 5,4 milhões de casos da Covid-19