África não será campo de testes para vacina contra coronavírus, diz diretor da OMS

Médico francês havia sugerido a realização de pesquisas para combater a Covid-19 em africanos

 Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus - Foto: Fabrice Confrrini/AFP

O diretor-geral da OMS (Organização Mundial da Saúde), Tedros Adhanom Ghebreyesu, afirmou nesta segunda (6) que a África não será um "campo de testes" para vacinas contra o novo coronavírus.

Na semana passada, o chefe da unidade de terapia intensiva do hospital Cochin em Paris, Jean-Paul Mira, pediu desculpas mais uma vez por ter sugerido que testes de vacina contra o coronavírus fossem feitos no continente africano.

Em entrevista à Maroc Hebdo, revista em língua francesa publicada no Marrocos, Mira admitiu que não deveria ter feito "perguntas estúpidas", embora defenda que tenha sido mal interpretado por quem o criticou.

Leia também:
Vacina contra coronavírus testada nos EUA produz anticorpos em roedores
Grupos antivacina agora disseminam fake news sobre coronavírus, revela análise

"Eu não deveria ter feito perguntas estúpidas, mas estou preocupado com a África, mesmo que vocês não acreditem em mim", acrescentou o médico francês. Segundo Mira, países africanos, com exceção da África do Sul, sofrem com falta de equipamentos e instalações de saúde por causa da estrutura social.

"A África pode ser ainda mais afetada nas próximas semanas porque o vírus não conhece fronteiras".

A declaração controversa do francês foi feita à emissora francesa LCI na quarta-feira (1º). Na ocasião, Mira e Camille Locht, diretor do Instituto de Saúde e Pesquisa Médica da França (Inserm), conversavam ao vivo sobre o uso da vacina BCG como método de prevenção contra o coronavírus.

A BCG, que protege contra a tuberculose, tem sido usada na Austrália e em alguns países europeus em uma tentativa de imunização contra a Covid-19.

Enquanto discutiam a eficácia da estratégia, Mira disse: "Se eu pudesse ser provocativo, não deveríamos fazer este estudo na África, onde não existem máscaras, tratamento ou terapia intensiva, um pouco como foi feito, a propósito, para certos estudos sobre a Aids ou com prostitutas?".

Ao que Locht respondeu: "Você está certo. Estamos pensando em um estudo na África. Isso não nos impede, paralelamente, de também pensar em um estudo na Europa e na Austrália", disse o pesquisador.

Os comentários tiveram grande repercussão negativa. Astros africanos do futebol, por exemplo, fizeram críticas severas aos dois pesquisadores nas redes sociais.

"Bem-vindos ao Ocidente, onde um branco se crê tão superior que o racismo e a debilidade se tornam banais. É hora de nos levantarmos!", escreveu o jogador franco-senegalês Demba Ba, no Twitter.

Outro jogador, Didier Drogba, classificou o episódio como "totalmente inconcebível", e as falas, "profundamente racistas". "A África não é um laboratório de testes", tuitou ele, que nasceu na Costa do Marfim.

O camaronês Samuel Eto'o, que atuou durante anos pelo Barcelona e pelo Chelsea, foi além. Em um post no Instagram em que reproduz o vídeo da emissora LCI, o ex-jogador escreveu: "Filhos da p... A África não é o seu playground".

"Não, os africanos não são cobaias!", publicou a ONG francesa SOS Racisme. O clube de advogados do Marrocos anunciou em sua página no Facebook a intenção de "registrar uma queixa por difamação racial".

Glenda Gray, do Conselho de Pesquisa Médica da África do Sul (SAMRC), também se posicionou, classificando as declarações de "perturbadoras". A cientista esteve na lista de pessoas mais influentes do mundo da revista Time por seu trabalho de combate ao HIV na África do Sul.

"O SAMRC está chocado com a atitude dos cientistas franceses, sugerindo que, devido à falta de produtos e medicamentos e ao acesso insuficiente a ventiladores e outros cuidados para otimizar o gerenciamento da Covid-19, devemos ser o local onde fazemos experimentos em pessoas", disse Gray.

Um dia após as declarações controversas dos franceses, o líder da força-tarefa contra a pandemia de coronavírus no Congo, Jean-Jacques Muyembe, disse que o país está pronto para receber testes de vacinas contra a Covid-19.

"A vacina será produzida nos Estados Unidos, no Canadá ou na China. Somos candidatos para que façam os testes aqui", disse o virologista em uma entrevista coletiva no sábado (4).

"Em algum momento, a Covid-19 ficará incontrolável. A única maneira de controlá-la será uma vacina, assim como o ebola", acrescentou Muyembe.

A epidemia de ebola, que está em sua décima onda de contágios e já deixou mais de 2.200 mortos no Congo, deve ser declarada encerrada no país no dia 12 de abril.

O impacto do coronavírus na África foi sentido um pouco mais tarde que em outras regiões do mundo.

Parte da baixa incidência da Covid-19 no continente é atribuída à ausência de testes que possam comprovar o diagnóstico da doença.

No último mês, entretanto, o número de mortes chegou às centenas, e os casos, aos milhares. O país mais atingido, até esta segunda (6), é a África do Sul, com 1.655 casos e 11 mortes, seguida pela Algéria, com 1.320 casos e 153 mortes.

O presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, impôs um bloqueio considerado um dos mais restritivos do mundo. Desde o dia 26 de março, apenas serviços essenciais estão funcionando e as pessoas só podem sair de casa para buscar atendimento médico, comprar comida ou receber o benefício social dado pelo governo.

"Embora essa medida tenha um impacto considerável nos meios de subsistência das pessoas, na vida de nossa sociedade e em nossa economia, o custo humano de adiar essa ação seria muito, muito maior", disse Ramaphosa ao anunciar o bloqueio que deve durar, pelo menos, até 16 de abril.

A Algéria fechou escolas, proibiu reuniões de qualquer tipo e impôs um toque de recolher em pelo menos nove províncias. Na capital, Algiers, a população não pode sair às ruas das 15h às 7h.

Nas demais cidades, a restrição começa às 19h.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

País regrediu 20 anos na educação com pandemia, diz secretário
Educação

País regrediu 20 anos na educação com pandemia, diz secretário

Grupo suspeito de furtar caixas eletrônicos em Maceió é detido no Grande Recife
FLAGRANTE

Grupo suspeito de furtar caixas eletrônicos em Maceió é detido no Grande Recife