Agente de saúde é a primeira indígena a ter coronavírus confirmado

Jovem mora na região de Santo Antônio de Iça (AM)

Teste de coronavírusTeste de coronavírus - Foto: Robin Van Lonkhuijsen/ANP/AFP

A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas confirmou nesta quarta-feira (1º) o primeiro caso do novo coronavírus entre índios brasileiros. Segundo a fundação, vinculada à secretaria estadual de Saúde (Susam), trata-se de uma jovem de 20 anos de idade, da etnia Kokama, que trabalha como agente de saúde indígena na região da cidade de Santo Antônio do Içá (AM).

O município, que fica na microrregião do Alto Solimões, integra o Distrito Sanitário Especial Indígena Alto Rio Solimões. Segundo a fundação, a paciente pode ter tido contato com o médico que atua no mesmo distrito e que também testou positivo para Covid-19.

Só em Santo Antônio do Içá, há, além da jovem indígena e do médico, outras duas pessoas cuja doença já foi confirmada. De acordo com a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), do Ministério da Saúde, o caso da agente de saúde é o único confirmado entre índios em todo o Brasil. Mas outros 12 indígenas que tiveram contato com o médico, além de 15 integrantes da equipe de saúde, estão em isolamento preventivo, sendo assistidos pela Equipe Multidisciplinar de Saúde Indígena do DSEI Alto Solimões desde o 25 março.

Leia também:
Brasil tem 40 novas mortes por coronavírus, e total de óbitos vai a 241
Brasileiro morre em Londres vítima do coronavírus, que contraiu após preparar um almoço


Ainda de acordo com a Sesai, a agente de saúde não apresentou qualquer sintoma da infecção. Seus parentes também estão sendo assistidos e em isolamento. Além disso, ações de vigilância foram intensificada em toda a região a fim de tentar evitar que síndromes gripais e respiratórias agudas graves se espalhem.

O total de casos confirmados em todo o estado até esta tarde já chegava a 200, segundo o governo estadual. Destes, 179 foram registrados em Manaus; seis no município de Manacapuru; quatro em Itacoatiara; quatro em Santo Antônio do Içá e três em Parintins. As cidades de Boca do Acre, Anori, Novo Airão e Careiro da Várzea tem um caso confirmado cada.

Vinte e oito pacientes estão internados, 13 deles em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs). Além disso, três pessoas já morreram no estado em decorrência da doença e as causas de outros três óbitos estão sendo investigadas. Há ainda 106 casos de pessoas que apresentaram sintomas da doença, se submeteram a testes e aguardam os resultados.

Sobre a possibilidade de transmissão do vírus entre os indígenas, a Sesai afirma estar atenta, “trabalhando para atender aos mais de 800 mil indígenas aldeados e presentes em todo o Brasil”, em conformidade com as orientações técnicas para ajudar a prevenir, combater e tratar a infecção pela Covid-19.

Em nota, a Fundação Nacional do Índio (Funai) lembrou que, por precaução, suspendeu a concessão de novas autorizações de entrada de não-índios em terras indígenas. E que está monitorando a situação nas aldeias, em parceria com a Sesai, que é a responsável por definir as instruções de prevenção da doença. A Funai, por sua vez, garante estar trabalhando “na orientação e difusão de informações junto às comunidade indígenas”.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Com ressalvas, TCE aprova contas de Doria e cobra transparência em gastos com CoronaVac
São Paulo

Com ressalvas, TCE aprova contas de Doria e cobra transparência em gastos com CoronaVac

Decreto de Bolsonaro libera militares da ativa em cargos do governo por tempo indeterminado
Militares

Decreto de Bolsonaro libera militares da ativa em cargos do governo por tempo indeterminado