Agora são um “Arraes” e um “Campos” fora do PSB

Marília Arraes e Antonio Campos pediram desfiliação do PSB por divergências políticas com o grupo estadual que o controla

Inaldo SampaioInaldo Sampaio - Foto: Colunista

Com o pedido de desfiliação de Antonio Campos do PSB, sobe para dois os netos de Miguel Arraes auto-excluídos do partido por divergências com o grupo estadual que o controla, liderado pelo governador Paulo Câmara e o prefeito Geraldo Júlio. O primeiro foi a vereadora Marília Arraes, prima legítima de Eduardo Campos. Foi ela quem deu o primeiro “grito de guerra” ao acusar o PSB de desvirar-se de suas bandeiras históricas para celebrar alianças com forças políticas que historicamente sempre combateu. O segundo foi o advogado Antonio Campos, neto de Arraes e irmão de Eduardo, que não só acusa o PSB de não tê-lo apoiado para prefeito de Olinda como também de discriminá-lo usando o condenável processo de “arapongagem”. Pode ser que seja exagero do advogado. Mas só o fato de dois netos de Arraes terem abandonado o PSB é sinal de que o partido já não é tão uno em Pernambuco como foi na época de Eduardo Campos.

Marília Arraes e Antonio Campos pediram desfiliação do PSB por divergências políticas com o grupo estadual que o controla

Todos contra a violência
Embora “segurança pública” seja responsabilidade dos governadores, Paulo Câmara convocou todos os prefeitos da área metropolitana para auxiliá-lo no combate à bandidagem. Quase todos os municípios da RMR criaram secretaria de segurança e podem auxiliar o Governo do Estado comprando câmeras de monitoramento, melhorando a iluminação pública e aparelhando suas guardas municipais.

Susto > O prefeito de Goiana, Osvaldo Rabelo Filho (PMDB), que voltou ao cargo pela 4ª vez, ainda se diz “assustado” com a situação de “caos” em que encontrou a prefeitura. “Não tem dinheiro, sequer, para comprar um rolo de papel higiênico e as empresas que se instalaram lá não pagam imposto, salvo a Ponsa S/A”, diz ele.
A caminho > Em direção a Monteiro (PB), as águas do rio São Francisco chegaram ontem a Custódia, onde está a 4ª estação de bombeamento, e de lá seguirá por gravidade até a 5ª, em Sertânia (PE).
Visita > O senador Armando Monteiro (PTB) visitou ontem a sede do Sindicato dos Médicos, com cuja direção discutiu a situação da saúde pública em PE sob gestão de Organizações Sociais.
Corte > O prefeito Lula Cabral (Cabo) determinou corte de 10% nos gastos com custeio porque seu antecessor gastou R$ 21 milhões em 2016 com água, luz, telefone, locação de veículos e publicidade.
Processo > Nadegi Queiroz (PSDC), de Camaragibe, não foi o 1º vice-prefeito da safra de 2016 a romper com o prefeito (Demóstenes Meira, do PTB). Mas foi o 1º a processar o companheiro de chapa por calúnia. Ela acumulava o cargo com a Secretaria de Saúde quando foi surpreendida pela demissão.
Suspeição > Dois advogados pernambucanos protocolaram ontem na 1ª Vara da Justiça Federal ação popular contra a indicação de Alexandre Moraes para o STF. O juiz Roberto Wanderley Nogueira declarou-se “suspeito” para julgar a causa, porque também concorreu à vaga. Mas acha que ambos estão certos.
Freio > A volta da PM do Espírito Santo ao trabalho, ontem, contribuiu para desestimular “motins” que poderiam ocorrer em Pernambuco, Rio de Janeiro e Minas Gerais. O projeto de autoria do Governo do Estado que propõe equiparar o salário da PM ao da Polícia Civil até dezembro do próximo ano será aprovado até amanhã, sem dificuldades, pela Assembleia Legislativa, ainda que sob os protestos da Associação de Cabos e Soldados.

Veja também

Pai de Henry Borel vê 'estratégia' sobre relatos de supostas agressões sofridas por Monique
Caso Henry Borel

Pai de Henry Borel vê 'estratégia' sobre relatos de supostas agressões sofridas por Monique

Butantan pede à Anvisa autorização para início dos testes com a Butanvac, diz governo de São Paulo
Vacina

Butantan pede à Anvisa autorização para início dos testes com a Butanvac, diz governo de São Paulo