A-A+

AGU: Vale ressarciu União em R$ 13,8 milhões por gastos em Brumadinho

Despesas com benefícios do INSS serão cobradas em outra ação judicial

Devastação causada pelo rompimento de barragem da Vale, em Brumadinho (MG).Devastação causada pelo rompimento de barragem da Vale, em Brumadinho (MG). - Foto: Adriano Machado/Reuters/Direitos reservados

Leia também

• Cheque especial tem teto de 8%, e bancos adiam cobrança de taxa

• Grandes bancos começam a cobrar novas taxas de cheque especial

• BC quer estimular mais competitividade entre os bancos

A Advocacia-Geral da União (AGU) informou nesta sexta-feira (24) que a mineradora Vale pagou R$ 13,8 milhões de indenização ao governo federal pelos gastos com as operações de nove órgãos que atuaram após o rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho, em janeiro do ano passado. Segundo a AGU, um acordo extrajudicial foi feito com a empresa.

Os gastos foram feitos pelos ministérios da Justiça e Segurança Pública, da Agricultura, Pecuaria e Abastecimento, do Desenvolvimento Regional, de Minas e Energia, da Defesa e da Saúde, além do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renovaveis (Ibama) e do Instituto Chico Mendes (ICMBio), entre outros órgãos.

De acordo com a AGU, os gastos com benefícios do Instituto NacionaI do Seguro Social (INSS) que estão sendo pagos aos parentes das vítimas serão cobrados em outra ação contra a Vale.

Leia também:
Promotoria denuncia ex-presidente da Vale e 15 pessoas por homicídio doloso
Um ano após Brumadinho, Vale recupera valor que tinha antes da tragédia

O rompimento da barragem, que completa um ano neste sábado (25), liberou 12 milhões de metros cúbicos de rejeitos e é considerado um dos maiores desastres humanos e ambientais da história do Brasil. Na tragédia, morreram 270 pessoas, e o Corpo de Bombeiros ainda procura os corpos de 11 desaparecidos.

Veja também

Preocupação com falta de mão de obra cresce na indústria, diz CNI
CNI

Preocupação com falta de mão de obra cresce na indústria, diz CNI

ONU teme 'crimes hediondos em massa' em Mianmar
Direitos Humanos

ONU teme 'crimes hediondos em massa' em Mianmar