Covid-19

Ainda não há decisão sobre a segunda dose de gestantes e puérperas que tomaram a vacina AstraZeneca

Governo de Pernambuco diz aguardar posicionamento do Ministério da Saúde

Vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela AstraZeneca, em parceria com a Universidade de OxfordVacina contra a Covid-19 desenvolvida pela AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford - Foto: Indranil Mukherjee/AFP

A superintendente do programa de imunizações da Secretaria de Saúde de Pernambuco (SES-PE), Ana Catarina Melo, disse, na tarde desta quinta-feira (13), que o Estado ainda não recebeu orientações do Ministério da Saúde sobre como deverá proceder com a segunda dose da imunização contra a Covid-19 de grávidas e puérperas que receberam, na primeira aplicação, a vacina desenvolvida pela AstraZeneca/Universidade de Oxford e produzida no Brasil pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). 

O uso do imunizante foi suspenso nesse público por orientação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, após a morte de uma gestante de 35 anos que recebeu uma dose da vacina.

A ocorrência suspeita reportda foi de evento adverso grave de acidente vascular cerebral hemorrágico com plaquetopenia ocorrido em gestante e óbito fetal. 

“As gestantes que receberam esse imunizante podem ficar tranquilas, porque os acentos adversos são raros, principalmente os graves. Essa suspensão na verdade foi uma precaução, pois ainda não existe confirmação mesmo da relação causal entre a vacina e o caso”, tranquilizou Ana Catarina. 

"Não temos nenhum relato de aborto ou óbito após a vacina da AstraZeneca (em gestantes e puérperas) no Estado. Se houver algo, a gente pede que seja informado no local onde a vacina foi aplicada para que seja feita investigação”, completou, frisando que o Estado aguarda um posicionamento do Ministério da Saúde sobre o protocolo que deverá ser adotado na aplicação da segunda dose nesse público.

Nesta quarta (12), foi anunciado que Pernambuco terá seis pólos regionais para aplicação do imunizante da Pfizer/BioNTech em mulheres grávidas e puérperas.

Eles ficarão em Recife, Olinda e Jaboatão dos Guararapes, para atender o público do Grande Recife e matas Norte e Sul, Caruaru, no Agreste, e Petrolina e Serra Talhada, no Sertão. Em Pernambuco, estão sendo vacinadas todas grávidas e puérperas, independente de portarem alguma comorbidade.  

Veja também

Câmara aprova MP que libera verba para municípios atingidos por chuvas
Auxílio

Câmara aprova MP que libera verba para municípios atingidos por chuvas

Governo do Rio não ofereceu ajuda a familiares de 27 mortos no Jacarezinho
Violência

Governo do Rio não ofereceu ajuda a familiares de 27 mortos no Jacarezinho