Magnitude de 7,5

Alasca tem alerta de tsunami após forte terremoto

Não foram reportados vítimas ou danos, segundo autoridades americanas

Alerta de tsunami para a regiãoAlerta de tsunami para a região - Foto: Reprodução/tsunami.gov

O estado americano do Alasca foi posto em alerta de tsunami, nesta segunda-feira (19), depois do registro de um terremoto com magnitude 7,5, do qual até agora não foram reportados vítimas ou danos, segundo autoridades americanas. O sismo, inicialmente estimado com magnitude 7,4, foi registrado 91 km a sudeste da cidadezinha de Sand Point, nas Ilhas Aleutas, no mar de Bering, a 40 km de profundidade, informou o Instituto de Geofísica dos Estados Unidos (USGS).

A agência nacional de Administração Oceânica e Atmosférica (NOAA) pôs em alerta de tsunami toda a costa sul do estado, assim como a península do Alasca, mas Anchorage, a maior cidade do estado, situada a quase 1.000 km do epicentro, não foi afetada. Segundo a NOAA, o "nível de perigo da tsunami está sendo avaliado".

Havia "baixa probabilidade de mortes e danos" decorrentes do próprio tremor, acrescentou o USGS. O forte sismo se seguiu pelo menos de quatro réplicas, com magnitude 5 ou superior.

O terremoto foi sentido na comunidade vizinha de Kink Cove, na Península do Alasca, mas tudo parecia estar intacto, afirmou o administrador da cidade, Gary Hennigh, ao Anchorage Daily News. "Moradores e trabalhadores da fábrica de conservas estão sendo evacuados para áreas mais elevadas até que saibamos mais sobre o alerta de tsunami", disse Hennigh.

Morador de Cold Bay, Michael Ashley relembrou o momento do tremor. "Todos os sofás, poltronas e estantes se mexiam e eu tive que segurar um deles", contou Ashley ao jornal.

Veja também

Para forçar volta à escola, MEC resiste em homologar permissão de aula remota até fim de 2021
educação

Para forçar volta à escola, MEC resiste em homologar permissão de aula remota até fim de 2021

Bolsonaro nega que chamou Covid-19 de 'gripezinha' após ter usado o termo em pronunciamento oficial
Brasil

Bolsonaro nega que chamou Covid-19 de 'gripezinha' após ter usado o termo em pronunciamento oficial