Guerra na Ucrânia

Alemanha fornecerá 2,7 mil mísseis antiaéreos adicionais à Ucrânia

Mísseis são do tipo STRELA, de fabricação soviética, que procedem dos estoques do exército da ex-Alemanha Oriental

Combatente do exército ucranianoCombatente do exército ucraniano - Foto: Sergei Supinsky/AFP

A Alemanha aumentará o fornecimento de armas à Ucrânia após a invasão russa, com o envio de 2.700 mísseis antiaéreos adicionais, informou uma fonte governamental.

"O governo alemão aprovou um novo apoio para a Ucrânia", com o fornecimento de mísseis antiaéreos do tipo STRELA, de fabricação soviética, que procedem dos estoques do exército da ex-Alemanha Oriental, antes da reunificação em 1990", afirmou a fonte.

Berlim já havia autorizado no sábado o envio para Kiev de 500 mísseis antiaéreos do tipo Stinger, 1.400 lança-foguetes antitanque e nove obuses, a maioria dos quais já chegaram à Ucrânia.

A decisão é uma mudança na política alemã do pós-guerra, que proibia a exportação de armas letais a zonas de conflito devido a seu passado nazista.

O chanceler alemão, Olaf Scholz, justificou a mudança pela necessidade que a invasão russa da Ucrânia representa, o que obriga Berlim a repensar suas prioridades.

A Alemanha também anunciou um aumento dos gastos militares, com 100 bilhões de euros liberados imediatamente para modernizar suas Forças Armadas e o aumento no orçamento de defesa nos próximos anos.

Veja também

G7 quer investir US$ 600 bilhões em programa mundial de infraestruturas, diz Biden
Cúpula dos países ricos

G7 quer investir US$ 600 bilhões em programa mundial de infraestruturas, diz Biden

Pernambuco registra, neste domingo (26), quatro mortes e 545 novos casos de Covid-19
coronavírus

Pernambuco registra, neste domingo (26), quatro mortes e 545 novos casos de Covid-19