A-A+

Alexandre de Moraes: defesa de fechamento do STF é ‘absurdo atentado verbal’

'O preço da liberdade é a eterna vigilância', disse o ministro, em menção à famosa frase de Thomas Jefferson

Para Alexandre Moraes, a declaração feita de "maneira irresponsável" é uma contradição em meio a democracia brasileiraPara Alexandre Moraes, a declaração feita de "maneira irresponsável" é uma contradição em meio a democracia brasileira - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes afirmou nesta segunda-feira (22) que nada justifica a defesa do fechamento da Suprema Corte.
Em seminário, na capital paulista, ele afirmou que é uma contradição o país viver o maior período de estabilidade democrática desde a Constituição de 1988 e um parlamentar fazer uma declaração de "maneira irresponsável".

Em palestra, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), disse que "basta um soldado e um cabo" para fechar o STF. O pai do parlamentar desautorizou a declaração. "As declarações demonstram a atualidade da famosa frase de Thomas Jefferson: 'O preço da liberdade é a eterna vigilância'. Nada justifica a defesa do fechamento do STF", disse.

Leia também:
Fala sobre fechar STF 'não é motivo para alarde', diz filho de Bolsonaro
Após fala de Eduardo Bolsonaro sobre fechar STF, Rosa Weber diz que juízes 'não devem se abalar'
FHC diz que declaração de filho de Bolsonaro sobre o STF 'cheira a fascismo'
Deputado eleito pelo PSL pede impeachment e prisão de ministros do STF
TSE, STF e PGR garantem confiança em urnas eletrônicas


O ministro disse ainda que nem o desconhecimento dos pilares da democracia nem a "total ignorância" do princípio da separação dos poderes justificam "o absurdo atentado verbal à autonomia e independência do Poder Judiciário".

Ele disse ainda que cabe à Procuradoria-Geral da República (PGR) analisar se o contexto da manifestação, feita fora do exercício das funções do parlamentar, pode configurar delito de incitação de animosidade, previsto na Lei de Segurança Nacional. No domingo (21), a presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Rosa Weber, disse que um magistrado que honra o seu papel não se deixa abalar por manifestações que possam ser compreendidas como inadequadas.

Veja também

Saúde promove Dia "D" de vacina antirrábica na fronteira com a Bolívia
Saúde

Saúde promove Dia "D" de vacina antirrábica na fronteira com a Bolívia

Talibãs exibem corpos de sequestradores em cidade no Afeganistão
Mundo

Talibãs exibem corpos de sequestradores em cidade no Afeganistão