E-music

Alok fala ao RJ sobre sua trajetória, gostos musicais e sua apresentação no King Festival

Evento começa neste sábado (15), no Cecon

SauloSaulo - Foto: Divulgação

Alok Petrillo, brasileiro nascido no Distrito Federal, é filho de Ekanta e Swarup, dois DJs pioneiros da música eletrônica nacional. Desde cedo, já acompanhava os pais pelos diversos festivais na cena brasileira. Em 2014, Alok foi escolhido pela Revista House Mag como o DJ número 1 do Brasil, e recebeu o prêmio de melhor DJ pelo selo RMC (Rio Music Conference). Tornou-se ativo na cena internacional ao tocar em 4 continentes. Alcançou, em 2015, a posição #44 no TOP 100 da DJ Mag e hoje acumula milhões de visualizações no Youtube, milhares de fãs nas redes sociais, e apresentações mensais para mais de 200 mil pessoas. Esse grande DJ é uma das atrações mais aguardadas no King Festival, neste sábado (15), na área externa do Centro de Convenções, e tem agenda marcada no Recife até o Carnaval. Em entrevista ao site Roberta Jungmann falou um sobre a carreira, gostos musicais e sobre sua apresentação no King.

RJ: O que é o seu Brazilian Bass, e como ele vem sendo recepcionado pelo público e outros profissionais da área?

Alok: As pessoas sempre me rotularam de várias formas, DJ de house, deep house e techno, etc. Eram termos amplos e meu som sempre teve um diferencial, aí eu percebi, então, que era melhor arrumar um novo termo. Com o bass em evidência e a nacionalidade, optei pelo Brazilian Bass.

RJ: A porta para os DJ's brasileiros no mercado internacional está aberto? Você acredita que contribuiu com esse movimento?

Alok: Acredito que sim. O alcance da música através da internet conseguiu atingir um número incomensurável de pessoas em todas as partes do Brasil despertando novos talentos. Despertou tantos que acabamos criando nossa própria gravadora, a UP Club Records.

RJ: Você escuta muito som por aí. Algum DJ em especial que você nos indique ficar de olho pelos próximos meses?

Alok: Liu é um dos produtores na qual venho acreditando muito.

 

Alok trará novidades ao Kink Festival

Foto: Alok trará novidades ao Kink Festival
Créditos: Alisson Demetrio/Divulgação

 RJ: Alguma referência da música pernambucana que te inspire? Goste? Ou já ouviu muito?

Alok: Luiz Gonzaga talvez seja a minha principal referência de música pernambucana, e como todo som de identidade cultural, com certeza. Gosto sim.

RJ: Qual/quais conselho(s) você daria para algum DJ que esteja no início da carreira ou pensando em ingressar na área?

Alok: Dedicação paralela à outra atividade, como escola e faculdade, até que a identidade com a música seja de fato o principal motivo a incentivar a seguir a carreira. Como qualquer profissão, a de DJ exige uma identificação para despertar melhor o talento e isso depende muito de dedicação.

RJ: Caso o nosso leitor ainda esteja em dúvida sobre ir ou não para o King Festival, o que você diria para convencê-lo a ir? O que pode adiantar sobre a apresentação no King Festival?

Alok: Acabo de voltar de várias viagens com muita referência convertida em música. Algumas dessas músicas vou mostrar pra galera de Recife especialmente no King Festival!

 

Veja também

Sesi Odonto distribui kits de higiene bucal na Praça do Derby
RECIFE

Sesi Odonto distribui kits de higiene bucal na Praça do Derby

Gravidez com amparo e consciência é o desafio para algumas mulheres
Zoom

Gravidez com amparo e consciência é o desafio para algumas mulheres