Pandemia

Alunos do 1º ano do ensino médio da rede pública de Pernambuco voltam às aulas presenciais

Na Escola Técnica Estadual (ETE) Miguel Batista, localizada no bairro da Macaxeira, cerca de 100 estudantes voltam à instituição

Volta às aulas presenciais na Escola Técnica Estadual (ETE) Miguel BatistaVolta às aulas presenciais na Escola Técnica Estadual (ETE) Miguel Batista - Foto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

Em meio à pandemia da Covid-19, o estado de Pernambuco iniciou a retomada gradual de aulas presenciais. Nesta segunda-feira (3), foi a vez dos alunos do 1º ano do ensino médio retornarem à sala de aula. 

Na Escola Técnica Estadual (ETE) Miguel Batista, localizada no bairro da Macaxeira, cerca de 100 estudantes voltam à instituição de forma presencial, mas continuam com aulas remotas.

De acordo com o gestor da escola, Jamerson Cruz, uma vez por mês, é fornecido um formulário para que os pais inscrevam seus filhos para voltarem a estudar de modo presencial. O educador ressalta que dos 45 alunos do 1º ano, que também fazem o técnico de de comunicação visual e design de interiores, apenas 16 estão marcando presença no ETE e esses continuam também com as aulas remotas.

“São 16 vagas para os alunos dos 1º anos por causa da logística da sala de aula. Além de presencial, eles ainda têm aulas remotas. A gente ouve uma preocupação muito grande dos pais porque alguns vem de ônibus, outros os pais vêm deixar e tem toda essa logística. Por isso, tem aula aqui e de forma remota”, explica o gestor.

A educadora de apoio do ETE Miguel Batista, Cinthia Brito da Silva, falou sobre a construção de horários de aula para atender todos os alunos. “Como é escola integral, dividimos de modo remoto e semi-presencial. No horário presencial, trabalhamos com 3º e 1º anos pela manhã e 2º anos à tarde. No contraturno, nesse horário à tarde, eles recebem de forma remota. Durante o dia eles têm nove aulas”, explica.

“A gente pensou numa forma de fazer por área para poder aglutinar melhor e ter melhor resultado. Então, a gente especificou que segunda e quinta os meninos trabalham linguagens, terça trabalham sociologia. Para que eles tenham esse acolhimento”, completou a educadora.

Jamerson explica que há uma procura muito grande, no entanto, se o aluno faltar duas vezes sem justificativa, abre a vaga para outro aluno que está na lista de remanejamento. 

Ainda de acordo com o educador, professores do ETE estão conseguindo se vacinar, o que dá mais alívio na volta às salas de aula.

Alguns alunos não têm computador em casa e vão à escola para poder cumprir a carga horária. É o caso de Lara Nascimento, 18 anos, do 3º ano de comunicação visual do ETE. “Estava querendo muito voltar porque não tenho computador e meu celular está péssimo. Meu pai quer comprar outro celular para que eu fique em casa, mas eu prefiro ficar na escola porque aprendo mais, em casa tenho muita dificuldade para aprender de modo online”, enfatizou.

Higiene
Na escola, o cuidado está sendo redobrado. Cada troca de turma na sala de aula passa por uma limpeza, além do reforço para deixar as mesas e cadeiras marcadas pelo distanciamento. 

Durante a aula de educação física, os alunos mantêm o distanciamento, sempre utilizam álcool em gel e não podem circular pelos corredores em grandes grupos.

Veja também

Registro de chuvas acima da média histórica aumenta níveis de barragens da RMR
Água

Registro de chuvas acima da média histórica aumenta níveis de barragens da RMR

Tirar a máscara ou mantê-la? A confusão reina nos Estados Unidos
Polêmica

Tirar a máscara ou mantê-la? A confusão reina nos EUA