Meio Ambiente

Amazônia e Cerrado registram recorde de desmatamento em fevereiro

Imagens de satélites detectaram 322 km² de cobertura florestal destruída na parte brasileira da maior floresta tropical do planeta

Desmatamento - Aumento de 62% em relação a fevereiro de 2022Desmatamento - Aumento de 62% em relação a fevereiro de 2022 - Foto: Michael Dantas/AFP

O desmatamento na Amazônia e no Cerrado brasileiros alcançaram níveis recordes em fevereiro, de acordo com dados oficiais divulgados nesta sexta-feira (10), que mostram os desafios do presidente Lula para reverter a destruição ambiental.

Imagens de satélites detectaram 322 km² de cobertura florestal destruída na parte brasileira da maior floresta tropical do planeta, um aumento de 62% em relação a fevereiro de 2022, que já havia sido recorde, segundo o sistema de vigilância DETER, do Instituto Nacional de Pesquisa Espacial (INPE).

No Cerrado, 558 km2 foram destruídos, 99% a mais do que no mesmo período no ano passado e quase o dobro do recorde de 283 km2, em fevereiro de 2020.

Os números, entretanto, não surpreendem, visto que o nível mais alto já havia sido registrado no dia 17 de fevereiro.

Apesar disso, o novo índice é desfavorável para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que conta com o apoio da comunidade internacional para reverter a destruição registrada durante o mandato de Jair Bolsonaro (2019-2022).

Lula garantiu que o "Brasil está de volta" ao combate das mudanças climáticas, após quatro anos em que o desmatamento médio anual na Amazônia aumentou 75% em relação à década anterior.

Até o momento, o presidente mobilizou órgãos de proteção ambiental, relançou um programa de proteção florestal e conseguiu apoio internacional para reativar o Fundo Amazônia, que dispõe de mais de US$ 580 milhões (cerca de R$ 3 bilhões) para combater o desmatamento.

Grupos ambientalistas vêm demonstrando paciência com o novo governo, enquanto aguardam dados sobre a estação seca, que começa em julho, quando o desmatamento tende a aumentar.

"É difícil reverter os danos de uma política anti-ambiental em tão pouco tempo", disse Frederico Machado, da ONG WWF-Brasil.

"A redução do desmatamento só ocorrerá quando houver uma reversão consistente da fragilização das instituições responsáveis pela fiscalização", acrescentou, em nota.

O porta-voz do Greenpeace Brasil, Rômulo Batista, comemorou os esforços do governo, mas alertou que Lula deverá implementar novas estratégias.

"Vai ser necessário muito mais trabalho", afirmou.

Veja também

Rússia afirma que conquistou outra localidade no leste da Ucrânia
guerra na ucrânia

Rússia afirma que conquistou outra localidade no leste da Ucrânia

Desaparecimento de criança pode ser comunicado antes de 24h; veja como
Segurança Pública

Desaparecimento de criança pode ser comunicado antes de 24h; veja como

Newsletter