ONU

Ampla condenação na ONU dos atos da Rússia na Ucrânia

Putin reconheceu a independência de repúblicas separatistas na Ucrânia e o enviou tropas às regiões

Presidente russo Vladimir PutinPresidente russo Vladimir Putin - Foto: Alexey Nikolsky / Sputnik / AFP

A ONU e a maioria dos países membros do Conselho de Segurança condenaram na segunda-feira (21) à noite a decisão da Rússia de reconhecer a independência de repúblicas separatistas na Ucrânia e o envio de tropas às regiões.

"As fronteiras internacionalmente reconhecidas da Ucrânia permanecerão inalteradas, sem importar as declarações e os atos da Rússia", afirmou o embaixador ucraniano nas Nações Unidas, Sergiy Kyslytsya.

A Ucrânia pediu à Rússia para "anular a decisão de reconhecer" os territórios separatistas, "retornar à mesa de negociações e proceder uma retirada imediata e verificável de suas tropas de ocupação.

Que o presidente Vladimir Putin do exército russo tenha falado de uma "força de manutenção da paz", para justificar a entrada nos territórios separatistas, é "um absurdo", afirmou a embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Linda Thomas-Greenfield.

Putin "anunciou (...) que iria enviar tropas russas para estas regiões. Chamam de forças de manutenção da paz. É um absurdo. Sabemos o que realmente são", criticou a diplomata.

A secretária-geral adjunta da ONU para Assuntos Político, Rosemary DiCarlo, "lamentou" as decisões e atos da Rússia.

"As próximas horas e dias serão críticos. O risco de um grande conflito é real e deve ser evitado a qualquer custo", declarou na reunião de emergência convocada principalmente pelos países ocidentais.

Moscou não fecha a porta para a diplomacia para resolver a crise na Ucrânia, afirmou o embaixador russo na ONU, Vassily Nebenzia, mas ele acrescentou que a Rússia impedirá um "banho de sangue" nos territórios separatistas do leste do país.

"Continuamos abertos à diplomacia para uma solução diplomática."No entanto, permitir um novo banho de sangue em Donbas é algo que não pretendemos fazer", declarou.

Confronto

Durante a sessão, vários membros do Conselho de Segurança condenaram os últimos eventos. Entre os países que criticaram a Rússia estão França, Noruega e Irlanda, cuja embaixadora, Geraldine Byrne Nason, foi enfática. "Os atos unilaterais da Rússia não fazem mais que exacerbar as tensões", disse.

Para o embaixador da França, Nicolas de Riviere, a Rússia "escolheu uma via questionável e de confronto".

"Quem será o próximo invadido?", questionou de maneira mais direta o embaixador da Albânia, Ferit Hoxha, ao criticar a "ruptura do direito internacional".

Seu colega indiano, T.S. Tirumurti, compartilhou "a profunda preocupação" e pediu "contenção de todas as partes", enquanto a embaixadora britânica, Barbara Woodward, exigiu um recuo da Rússia e o Brasil pediu o "cessar-fogo imediato" no leste da Ucrânia.

"O ato de entrar com militares no leste da Ucrânia e o anúncio de reconhecimento da independência de territórios separatistas afetam a integridade territorial do país", criticou o embaixador do Quênia, Martin Kimani.

Gana e Emirados Árabes também criticaram a Rússia, com pedidos de "desescalada" e "contenção".

A China adotou uma postura diferente e não criticou diretamente a Rússia. "Pensamos que todos os países devem resolver suas divergências internacionais por meios pacíficos de acordo com os objetivos e princípios da Carta das Nações Unidas", disse o embaixador Zhang Ju.

Dois decretos assinados pelo presidente russo Vladimir Putin reconhecem as "repúblicas populares" de Donetsk e Lugansk e pedem ao ministério da Defesa que "as Forças Armadas da Rússia (assumam nas regiões) as funções de manutenção da paz".

Veja também

Fechamento da Télam prejudicaria direito de argentinos à informação
Télam

Fechamento da Télam prejudicaria direito de argentinos à informação

Moda da Hermès desafía todos os elementos
Moda

Moda da Hermès desafía todos os elementos