A-A+

Anexo da Faculdade de Direito do Recife é assaltado e material de pesquisa é perdido

O anexo, localizado na Rua do Hospício, comportava arquivos do projeto Memória FDR, grupo de pesquisa que reúne informações históricas sobre a instituição

Equipamentos eletrônicos foram roubados do anexoEquipamentos eletrônicos foram roubados do anexo - Foto: Divulgação/PF

O prédio anexo da Faculdade de Direito do Recife (FDR) foi assaltado na madrugada dessa terça-feira (11). O anexo, localizado na Rua do Hospício, no bairro da Boa Vista, região central do Recife, comportava arquivos do projeto Memória FDR, grupo de pesquisa que reúne informações históricas sobre a instituição. De acordo com a testemunhas, os assaltantes subiram no telhado e tiveram acesso ao interior do prédio ensino por uma janela. 

Entre os equipamentos furtados estão monitores, computadores, um HD que armazenava pesquisas da universidade e eletrodomésticos. Segundo o Memória FDR, "a ação dos ladrões destruiu quatro anos de pesquisa, algumas delas com informações históricas sore a FDR".

Segundo a Polícia Federal em Pernambuco, as investigações foram iniciadas e devem seguir com a análise das câmeras do circuito interno de segurança e das impressões digitais coletadas na perícia. Os responsáveis pelo assalto podem ser condenados pelos crimes de furto simples (até quatro anos de reclusão) ou furto qualificado (até oito anos).

Leia também:
MPF apura suposta ordem para que livros fossem recolhidos em Rondônia
UFPE abre mais de 1.500 vagas para cursos de idiomas
MPPE renova convênio com a UFPE para a realização de exames de DNA

Informações sobre o crime podem ser repassadas à PF anonimamente através do número 3421-9595.

A Faculdade
Fundada em 1827, a Faculdade de Direito do Recife. Atualmente, a FDR é vinculada à Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Veja também

Preocupação com falta de mão de obra cresce na indústria, diz CNI
CNI

Preocupação com falta de mão de obra cresce na indústria, diz CNI

ONU teme 'crimes hediondos em massa' em Mianmar
Direitos Humanos

ONU teme 'crimes hediondos em massa' em Mianmar