Referendo

Antes de referendo, protestos marcam um ano de manifestações no Chile

Protestos pedem mais igualdade social

Protestos em Santiago, no ChileProtestos em Santiago, no Chile - Foto: Martin Bernetti / AFP

A Praça Itália, em Santiago, foi ocupada neste domingo (18) por dezenas de milhares de pessoas, que se reuniram para
marcar o aniversário de um ano do início dos protestos por mais igualdade social no Chile.

Apesar de um clima predominantemente festivo, episódios de violência também foram vistos durante o domingo. Um deles ocorreu na Igreja da Assunção, nas proximidades da Praça Itália, que foi completamente incendiada depois de ser atacada por encapuzados, que comemoraram o desabamento da estrutura. A pequena igreja foi o segundo templo a ser atacado durante os protestos.

Grupos de manifestantes começaram a chegar no início do dia para se reunir na Praça Itália, que se tornou o epicentro dos protestos que eclodiram em 18 de outubro de 2019. Cerca de 25 mil pessoas estiveram presentes, de acordo com a polícia.
A maioria dos manifestantes usava máscaras, mas alguns grupos eram vistos sem a proteção, despertando preocupação sobre transmissão do coronavírus.



Além de relembrar os protestos do ano passado, jovens, famílias e idosos também foram vistos carregando faixas e cartazes coloridos que pediam "sim" para a votação, no próximo domingo (25), do referendo que decidirá se a Constituição herdada da época da ditadura será mantida ou não no Chile.

O plebiscito, marco histórico no país, perguntará aos chilenos se eles devem mudar ou não a Constituição que data da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990) e qual tipo de órgão deve ficar responsável por redigi-la.

Veja também

Ministério da Saúde anuncia recursos para leitos e programa de imunização
Coronavírus

Ministério da Saúde anuncia recursos para leitos e programa de imunização

Máscara é último tabu a cair, diz Bolsonaro sobre prevenção à Covid-19
Coronavírus

Máscara é último tabu a cair, diz Bolsonaro sobre prevenção à Covid-19