Notícias

Anvisa aprova nova combinação de drogas para câncer de pulmão

Agora, o medicamento Keytruda (pembrolizumabe) poderá ser usado juntamente com a quimioterapia como tratamento de primeira linha para pacientes com câncer de pulmão

RemédiosRemédios - Foto: Pixabay

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou, no dia 11 de junho, uma nova indicação para o medicamento Keytruda (pembrolizumabe). Agora, a droga poderá ser usada juntamente com a quimioterapia como tratamento de primeira linha para pacientes com câncer de pulmão de células não pequenas metastático.

A droga já era aprovada no Brasil para melanoma avançado (tipo mais agressivo de câncer de pele), carcinoma urotelial (tipo de câncer de bexiga) e câncer gástrico.
O remédio tem como alvo a proteína PD-1, que aparece na superfície das células de defesa e impede que elas reconheçam e ataquem o tumor.

Com a droga, o tumor sistema imunológico passa então a reconhecer o câncer como invasor e a atacá-lo. A Anvisa afirma que foi a primeira autoridade reguladora a aprovar tal indicação com base nos resultados disponíveis em estudo de fase 3 (Keynote-189).

Leia também:
'Além da Cura' busca recursos para finalização de projeto sobre mulheres com câncer
Cirurgia inédita de câncer de pele em Pernambuco
Mais de 80% dos pacientes com câncer não estão conseguindo chegar ao HUOC

O medicamento faz parte do grupo dos imunoterápicos, que têm mudado radicalmente o tratamento do câncer nos últimos anos. A estratégia que tira o disfarce do câncer e faz com que o próprio organismo combata a doença trouxe excelentes resultados para tumores sem muitas opções terapêuticas com menos efeitos colaterais.

Agora, como a aprovação da Anvisa deixa claro, o uso de múltiplas drogas ao mesmo tempo parece ser a próxima fronteira para combater a doença. Em 2011, a droga ipilimumabe foi o primeiro imunoterápico aprovado contra o melanoma nos EUA e a responsável por gerar todo o entusiasmo com essa classe de medicamentos. As drogas inovadoras, porém, ainda esbarram no alto custo. O valor do tratamento pode chegar na casa das centenas de milhares de reais.

Veja também

Desde 2007, ações policiais mais letais somam 72 mortos; operação na Penha é segunda maior
RIO DE JANEIRO

Desde 2007, ações policiais mais letais somam 72 mortos; operação na Penha é segunda maior

Nike suspende vendas em lojas parceiras na Rússia
Guerra na Ucrânia

Nike suspende vendas em lojas parceiras na Rússia