A-A+

Apesar de desidratação de projeto anticrime, Moro diz que texto traz medidas 'muito positivas'

Moro disse ainda que itens que constavam na redação inicial proposta pelo Ministério da Justiça e que foram excluídos na tramitação no Congresso podem ser novamente debatidos

Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio MoroMinistro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Poucas horas depois de a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado ter aprovado uma versão desidratada do pacote anticrime, o ministro Sergio Moro (Justiça) disse que alguns pontos importantes ficaram de fora, mas afirmou que há medidas "muito positivas" preservadas no texto.

O ex-juiz disse ainda que itens que constavam na redação inicial proposta pelo Ministério da Justiça e que foram excluídos na tramitação no Congresso podem ser novamente debatidos no futuro no Legislativo.

"O nosso desejo era que nós aprovássemos o projeto na íntegra, como qualquer pessoa que encaminha um projeto. Algumas medidas importantes ficaram de fora, nós podemos tentar no futuro retomá-las. Há medidas importantes que estão de fora, mas já estão em deliberação no Congresso, como a execução [da pena] em segunda instância. Mas ainda assim o projeto tem medidas muito positivas, no sentido de um endurecimento que era reclamado na legislação criminal e também numa agilização", avaliou Moro, ao deixar o seminário Supremo em ação, realizado pelo Instituto de Estudos Jurídicos Aplicados (IEJA), em Brasília.

Leia também:
Comissão do Senado aprova pacote anticrime, e texto vai a plenário
Moro diz que Congresso poderia ter ido além e ter feito mais em projeto anticrime


Para acelerar a tramitação do projeto anticrime no Senado, os parlamentares que integram a CCJ não fizeram modificações no texto e apenas carimbaram o que veio da Câmara. Se ele for mantido em plenário, segue direto para sanção do presidente Jair Bolsonaro. Caso seja alterado, terá que retornar à Câmara, o que empurra o fim da tramitação para 2020.

Questionado nesta terça (10) se prefere que os senadores chancelem o texto da CCJ ou tentem retomar dispositivos da primeira versão do pacote, Moro disse que não lhe cabe comentar assuntos internos do Legislativo.

"Não cabe a mim aceitar, o Congresso tem a sua pauta e profere as suas decisões. O papel de quem encaminha o projeto é buscar o convencimento dos parlamentares sobre os acertos das medidas. Se parte delas não for aprovada, nós podemos tentar renovar o debate mais adiante de alguma forma, mas não existe essa questão de aceitar ou não o que foi decidido. O Executivo sempre respeita as decisões do Congresso", disse.

Durante o seminário, o ministro defendeu ainda trechos da proposta que permaneceram no pacote, como a que permite a execução da sentença após condenação pelo tribunal do júri (que no Brasil julga crimes contra a vida) quando a pena for igual ou superior a 15 anos.

"Alguém que foi condenado por homicídio ou feminicídio, a partir da aprovação da lei, se a pena for acima de 15 anos -isso foi uma inovação no Congresso, nós não colocávamos esse limitador- ela desde logo começa a cumprir a pena. O que vai permitir que seja realizada a Justiça de maneira mais rápida para as vítimas desses crimes, ou os parentes dessas vítimas. Então isso é extremamente positivo", avaliou Moro.

Mesmo com um texto desidratado em relação às suas ambições iniciais, Moro disse acreditar que o projeto nos moldes atuais vai ter impacto no combate à criminalidade no país.

Veja também

Adolescente que teve braço amputado após acidente em ônibus recebe alta do HR
Recife

Adolescente que teve braço amputado após acidente em ônibus recebe alta

Novo tuitaço gera mobilização contra corte de R$ 600 milhões na ciência brasileira
Mobilização

Novo tuitaço gera mobilização contra corte de R$ 600 milhões na ciência brasileira