Coronavírus

Apesar de fala de Bolsonaro, Anvisa mantém regra restritiva para receita de cloroquina

Presidente disse em live que remédio poderia ser adquirido com receita simples, o que não é verdade

A hidroxicloroquina é normalmente usada para tratar doenças como a artriteA hidroxicloroquina é normalmente usada para tratar doenças como a artrite - Foto: Yuri Cortez/AFP

Sem mencionar especificamente a fala do presidente Jair Bolsonaro, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) esclareceu nesta sexta-feira (14) que continuam necessárias receitas em duas vias, com retenção de uma, para a compra dos medicamentos cloroquina, hidroxicloroquina e ivermectina.

Em transmissão ao vivo no dia anterior, o presidente Jair Bolsonaro havia informado que seria necessário apenas uma "receita simples" para a compra desses medicamentos, quando recomendado por um médico.

"Chegou na minha tela aqui, o presidente da Anvisa, o almirante Barra [Antonio Barra Torres], acabou de confirmar a informação sobre a hidroxicloroquina e a ivermectina, você já pode comprar com uma receita simples, caso seu médico recomenda, obviamente", disse o presidente durante a transmissão.

 



Questionada, a agência evitou desmentir o presidente, mas apenas enviou explicações sobre as mais recentes mudanças nas normas de venda da cloroquina e da hidroxicloroquina. As explicações deixam claro que ainda são necessárias duas vias para a compra dos medicamentos, sendo que uma permanecerá retida pelas farmácias.

Em março, no início da pandemia da Covid-19 no Brasil, a Anvisa determinou que os medicamentos à base de cloroquina e hidroxicloroquina passassem a ser de venda controladas, exigindo uma receita especial em duas vias.

Como muitos líderes mundiais –inlcuindo o próprio Bolsonaro e o presidente americano, Donald Trump,– defenderam o uso do medicamento para o tratamento da doença, houve uma corrida pela sua compra, apesar de não haver comprovação científica de sua eficácia para tratar a doença.

"A iniciativa teve por objetivo garantir o fornecimento desses medicamentos para tratamentos descritos em bula, como lúpus e malária, por exemplo", informou a Anvisa, por meio de nota da assessoria de imprensa.

Os técnicos da agência, no entanto, avaliaram posteriormente que seria prejudicial manter a cloroquina e hidroxicloroquina entre os medicamentos controlados, com o argumento de que seus efeitos seriam menos impactantes se comparados aos de outros remédios dessa categoria.

Por isso, em 23 de julho, a agência publicou uma nova RDC (Resolução da Diretoria Colegiada) que retirou a cloroquina e a hidroxicloroquina da categoria de medicamentos controlados. Esses dois medicamentos, a nitazoxanida e a invermectina ganharam uma categoria especial de prescrição apenas para o período da pandemia do novo coronavírus.

Embora não sejam mais medicamentos controlados e as receitas exigidas não sejam mais especiais, ainda são necessárias receitas com dupla vias, sendo que uma ficará retida para controle das farmácias.

O documento deve ter dados do médico e do paciente, informações sobre a indicação do medicamento e data de emissão, com validade por 30 dias. Na prática, o modelo é semelhante ao usado para venda de antibióticos, por exemplo.

Com a exigência de retenção de receita, o medicamento passa a fazer parte do Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados –foi a forma encontrada pela agência para evitar compras exageradas por pacientes e assim evitar a falta no mercado.

"A norma tem por objetivo coibir a compra indiscriminada desses medicamentos, que têm sido amplamente divulgados", afirma a nota.

"Ou seja, com a publicação da RDC 405/2020, a compra desses produtos em farmácias e drogarias somente poderá ocorrer mediante apresentação da receita médica em duas vias, devendo a primeira via ser retida no estabelecimento. Cada receita terá validade de 30 dias, a partir da data de emissão, e poderá ser utilizada apenas uma vez", completa.

Fontes na Anvisa afirmam que a fala de Jair Bolsonaro se deu em um contexto de informalidade, por isso induziu ao erro. Eles acrescentam que o presidente está certo ao buscar informar que a cloroquina e hidroxicloroquina não são mais medicamentos controlados, que exigem receitas especiais.

No entanto, por falta de conhecimento técnico, o chefe do Executivo simplificou ao afirmar que poderiam ser adquiridos por receita simples.

Veja também

Alunos escutam mulher ser assassinada durante aula online nos EUA
Crime

Alunos escutam mulher ser assassinada durante aula online nos EUA

Brasil comprou insulina para 396 mil pessoas em 2018 mas só 11% receberam as doses
Saúde

Brasil comprou insulina para 396 mil pessoas em 2018 mas só 11% receberam as doses