Após acordo, estudantes deixam reitoria e ocupam Bloco C da Unicap

Movimento ocupava o prédio desde o último dia 11. Agora, a ocupação continua em um novo espaço, e seguirá sem prejudicar o andamento do calendário letivo

Luciana Santos e Manuela D'Ávila, ambas do PCdoBLuciana Santos e Manuela D'Ávila, ambas do PCdoB - Foto: Karla Boughoff/Divulgação

Depois de dez dias de travamento total, a reitoria da Universidade Católica de Pernambuco restabeleceu, na manhã desta segunda-feira (21), a normalidade de suas atividades. Em reunião finalizada na tarde na tarde do último domingo (20), a diretoria chegou a um acordo com o movimento que ocupava o prédio desde o último dia 11, e que agora será relocado para uma sala no Bloco C do complexo.

A transação foi registrada em documento, no qual a universidade reconhece que encontrou o espaço em perfeitas condições, limpo e sem qualquer sinal de depredação. Para que os jovens permitissem o funcionamento regular da reitoria, a instituição teve que ceder às pautas do movimento. O principal ponto conquistado pelos manifestantes foi o restabelecimento das bolsas de monitoria.

Outra demanda era a garantia de que nenhum dos participantes da ocupação sofresse represálias, sejam na forma de faltas ou de processos administrativos. Além disso, a Unicap também assegurou que um canal de diálogo será mantido para que as bolsas de assistência social sejam cedidas aos funcionários terceirizados a serviço na universidade e seus familiares, que também terão gratuidade na inscrição no vestibular. Agora, a ocupação continua em um novo espaço, e seguirá sem prejudicar o andamento do calendário letivo. A ideia do movimento é se manter mobilizado até o dia 13, quando será votada a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 55/2016. Até lá, os jovens pretendem persistir no debate sobre o contexto político nacional, com enfoque nas questões ligadas à Educação: a PEC e a Medida Provisória que propõe uma reforma no Ensino Médio.

Veja também

Homem é espancado por grupo de pessoas em confusão por som alto no Janga, em Paulista
Violência

Homem é espancado por grupo de pessoas em confusão por som alto no Janga, em Paulista

Letalidade menor da Covid-19 eleva dúvidas sobre confinamentos, diz epidemiologista
Entrevista

Letalidade menor da Covid-19 eleva dúvidas sobre confinamentos, diz epidemiologista